Mercado abrirá em 9 h 33 min

Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras (PETR4.SA)

São Paulo - São Paulo Preço Adiado. Moeda em BRL.
Adicionar à lista
29,31+0,04 (+0,14%)
No fechamento: 05:07PM BRT
Tela cheia
Fechamento anterior29,27
Abrir0,00
Preço de Compra29,31 x 0
Preço de Venda29,31 x 0
Variação do Dia0,00 - 0,00
Variação de 52 semanas
Volume0
Estimativa Volume75.762.407
Capitalização de Mercado403,306B
Beta (mensalmente por 5 anos)1,37
Índice P/L (últ. 12 mes.)53,78
LPA (últ. 12 mes.)0,55
Data da Receita03 de nov. de 2022
Dividendo futuro e rendimento10,45 (30,59%)
Data do Ex-Dividendo12 de ago. de 2022
Meta estimada de 1 ano39,23
  • Folhapress

    A Petrobras não quer retrocesso, afirma presidente da estatal a dois dias da eleição

    RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em rara participação em evento público, o presidente da Petrobras, Caio Paes de Andrade, defendeu nesta quinta-feira (29) a gestão da estatal durante o governo Bolsonaro e disse que a empresa "não quer retrocesso". As declarações foram dadas em encerramento da Rio Oil & Gas, feira que reuniu o setor de petróleo no Rio de Janeiro. Em meio a tratamento de um câncer, Paes de Andrade havia enviado um vídeo para a abertura do evento. No encerramento, participou de um

  • Folhapress

    Contas públicas devem ter superávit próximo a R$ 40 bi neste ano, diz secretário do Tesouro

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após oito anos de rombos sucessivos, as contas do governo central podem encerrar o ano de 2022 com um superávit próximo a R$ 40 bilhões, estima o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle. O dado inclui as contas do Tesouro Nacional, da Previdência e do Banco Central. A avaliação do secretário é mais otimista que a projeção oficial, divulgada há uma semana, que prevê um resultado positivo de R$ 13,5 bilhões. A existência de superávit indica que o governo arrecadou m

  • Folhapress

    Em três meses, presidente da Petrobras acomoda aliados do Planalto e acelera corte de preços

    RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Caio Paes de Andrade foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao comando da Petrobras para dar "nova dinâmica" aos preços dos combustíveis. Três meses depois, os números mostram que cumpriu a missão, mas não só: ele é acusado por opositores de afrouxar as regras de governança da companhia e de acomodar aliados do governo em cargos na estatal. Desde que o executivo assumiu, sob questionamentos de minoritários pela sua falta de experiência no setor, os pre