Mercado fechado
  • Negócios
    Folhapress

    Petrobras diz acreditar em licença para explorar petróleo na foz do Amazonas

    RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras diz ainda ter esperanças de conseguir licença ambiental para explorar petróleo na região da foz do rio Amazonas, mesmo após negativa do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) a pedido semelhante feito pela petroleira francesa Total. Em entrevista nesta sexta (14), o diretor de Exploração e Produção da estatal, Fernando Borges, afirmou esperar que a licença para os primeiros poços na região seja obtida em 2022, para início das perfurações ainda naquele ano. "Acho que nosso trabalho junto ao Ibama está evoluindo bem", afirmou. "Temos tido bastante entrega no sentido de atender os requisitos de licenciamento em uma área sensível como aquela e demonstrar que a gente pode fazer de forma segura." A resposta negativa do Ibama à Total foi dada no fim de 2018, em decisão sem possibilidade de recurso, alegando risco de danos irreparáveis nos "recifes biogênicos presentes na região e à biodiversidade marinha de forma mais ampla". A Total operava cinco blocos exploratórios na região, próximos de um grande sistema de corais descoberto em 2016 e que se estende do Maranhão à Guiana Francesa. É único no mundo por estar em águas profundas de pouca luminosidade. Em 2020, a petroleira francesa transferiu sua fatia nas concessões à Petrobras, que já era sócia dos projetos. Borges defende que a estatal tem mais conhecimento das bacias brasileiras e está fazendo um "trabalho robusto" de estudo de impacto ambiental e de planos de emergência. A bacia petrolífera da Foz do Amazonas se tornou mais cobiçada após a descoberta, a partir de 2015, de reservas gigantes de petróleo na Guiana pela petroleira americana ExxonMobil. Em 2020, a Total anunciou descobertas também no Suriname, aumentando o interesse pela região. "São reservas em torno de dez bilhões de barris [de petróleo] e a gente está ali no mesmo sistema petrolífero", argumentou o diretor da Petrobras. Organizações ambientalistas, porém, são contrárias à atividade próxima ao raro tipo de coral encontrado na região. No início do ano, propostas para explorar petróleo em uma área próxima ao arquipélago de Fernando de Noronha também entraram na mira dessas organizações. Em protesto realizado em janeiro, elas ameaçaram questionar na Justiça a oferta de áreas petrolíferas em locais considerados sensíveis para a conservação da biodiversidade, em leilão agendado pelo governo para outubro. As bacias da Foz do Amazonas e do Rio Grande do Norte, onde estão os blocos do leilão de outubro, estão na chamada margem equatorial, uma das apostas para manutenção da produção nacional de petróleo após o esgotamento do pré-sal, de onde saem hoje por mais de 70% do petróleo extraído no país. Também estão nesta área as bacias do Ceará e do Pará-Maranhão, onde as petroleiras têm enfrentado dificuldades para obter licenciamento. Na entrevista desta quinta, a Petrobras diz que espera definir no próximo ano o projeto de exploração das reservas gigantes de gás descobertas no litoral de Sergipe, bacia que é considerada a próxima aposta do setor após o pré-sal. A primeira produção na nova fronteira foi prevista originalmente para 2023. Em 2020, a estatal retirou o projeto de seu plano de investimentos o período entre 2021 e 2025. A produção na área vai demandar a construção de um gasoduto para escoar a produção ao continente. Nos próximos anos, o foco do aumento da produção continuará sendo o pré-sal, em frente ao litoral do Sudeste. A empresa prevê a instalação de 13 plataformas de produção, 12 delas no Rio de Janeiro e uma no Espírito Santo. Principais focos de crescimento da empresa no curto prazo, os campo de Búzios e Mero receberão oito unidades. Eles estão localizados em frente aos municípios de Niterói, Maricá e Saquarema, os dois primeiros hoje os maiores arrecadadores de royalties do país.

  • OMS pede que países entreguem vacinas para Covax em vez de vacinar crianças
    Notícias
    Canaltech

    OMS pede que países entreguem vacinas para Covax em vez de vacinar crianças

    Segundo a OMS, a distribuição internacional de vacinas contra COVID-19 permanece muito desigual, e desde que as primeiras vacinas foram aprovadas, os países mais ricos compraram a maior parte do suprimento

  • Microsoft lança recurso que transcreve conversas no chat do Xbox
    Tecnologia
    Canaltech

    Microsoft lança recurso que transcreve conversas no chat do Xbox

    Com foco no público com dificuldades de audição, ferramenta fará a transcrição de tudo o que for falado em tempo real dentro do chat de um grupo no Xbox One e Xbox Series X e S. Novidade, por enquanto, está disponível apenas para Insiders