OMS faz alerta contra o uso de adoçantes artificiais

Os adoçantes artificiais - substitutos onipresentes do açúcar - não ajudam na perda de peso e podem representar riscos para a saúde a longo prazo, advertiu a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os resultados de uma revisão sistemática das evidências disponíveis "sugerem que o uso dos adoçantes sem açúcar não confere nenhum benefício a longo prazo na redução da taxa de gordura corporal em adultos ou crianças", afirmou a OMS em um comunicado divulgado na segunda-feira.

A organização indica que os adoçantes artificiais podem ter "efeitos indesejáveis potenciais" associados ao uso a longo prazo, como o maior risco de diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e mortalidade em adultos.

Substituir os açúcares por estes adoçantes "não ajuda no controle de peso a longo prazo", afirmou Francesco Branca, diretor da OMS para nutrição e segurança alimentar.

"As pessoas devem considerar outras formas de reduzir o consumo de açúcares livres, incluindo o consumo de alimentos que contenham açúcares naturais, como frutas, ou alimentos e bebidas sem açúcar", acrescentou.

Os adoçantes sem açúcar "não são elementos nutricionais essenciais e não têm nenhum valor nutricional", destacou.

Os adoçantes mais utilizados são acessulfame de potássio, aspartame, advantame, ciclamatos, neotame, sacarina, sucralose, stevia e seus derivados, explicou a OMS. A organização destaca que a recomendação é válida para o uso em produtos de consumo e naqueles que são vendidos de maneira separada para "adoçar" os alimentos.

A OMS afirma ainda que a recomendação é válida "para todas as pessoas, exceto aquelas com diabetes preexistente".

A organização, no entanto, explica que estas são recomendações condicionais devido à diversidade dos participantes nos estudos e à grande complexidade dos hábitos de consumo de adoçantes sem açúcar.

Alguns especialistas em nutrição questionam o trabalho, baseado em grande medida em estudos observacionais que não permitem estabelecer um vínculo direto entre adoçantes e controle de peso.

Para a professora Nita Foruhi, da Universidade de Cambridge, "o uso de adoçantes pode ser uma forma de controlar o peso a curto prazo".

"O mais importante é que para controlar o peso a longo prazo e a para as doenças crônicas, como diabetes tipo 2, e as doenças cardiovasculares os adoçantes não são recomendados", declarou a professora ao Science Media Center.

vog-ic/cel/hj/mab/jvb/fp/aa