Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    22.968,62
    -19,59 (-0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

OMS critica falta de informações da China sobre covid

A Organização Mundial da Saúde (OMS) voltou a criticar, nesta quarta-feira (11), a resistência da China em publicar informações fidedignas sobre a onda de covid no país e elogiou a "transparência radical" dos Estados Unidos na luta contra uma subvariante do novo coronavírus.

A OMS está convencida de que "o número de mortos na China continua bastante subestimado", declarou, durante coletiva de imprensa, em Genebra, o médico Michael Ryan, diretor-executivo do Programa de Emergências Sanitárias da entidade.

Ryan se referiu à definição extremamente limitada que as autoridades chinesas impuseram ao diagnóstico de morte por covid e afirmou que os médicos "devem ser incentivados a reportar os casos e não desestimulados".

Em contrapartida, o encarregado da OMS ressaltou a cooperação dos Estados Unidos frente à propagação da XBB.1.5, um subtipo da variante ômicron da covid-19.

"Há uma transparência radical de parte dos Estados Unidos no que diz respeito ao compromisso com a OMS sobre dados e ao impacto destes dados", afirmou.

Na China, apesar de uma colaboração maior, "continuamos sem dispor de informações suficientes para proceder a uma avaliação completa de riscos", prosseguiu.

Os argumentos não parecem influenciar a política das autoridades chinesas, que nesta quarta-feira consideraram que "não é necessário" no momento concentrar-se no número exato de mortes relacionadas com a covid.

vog/nl/js/mb/mvv/rpr