Mercado fechará em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    116.577,04
    +346,92 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.646,91
    -399,67 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,78
    +1,26 (+1,46%)
     
  • OURO

    1.716,70
    -13,80 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    19.919,59
    -173,52 (-0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    450,88
    -7,52 (-1,64%)
     
  • S&P500

    3.739,08
    -51,85 (-1,37%)
     
  • DOW JONES

    29.999,27
    -317,05 (-1,05%)
     
  • FTSE

    7.033,36
    -53,10 (-0,75%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.410,75
    -230,00 (-1,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1556
    -0,0123 (-0,24%)
     

“No pitch, sempre colocamos o time na frente”, diz CEO da AfroSaúde

Para o CEO e co-fundador da AfroSaúde, Arthur Lima, “mais importante que mostrar o que a empresa faz é mostrar quem faz a empresa”. Por isso, o empreendedor sugere que o time seja apresentado antes mesmo da ideia. Outro prioridade na visão do criador da startup que conecta pacientes a profissionais da saúde negros é destacar é impactar a audiência com o problema. “A gente acaba se apaixonando muito pela solução e esquece do problema”, afirma o executivo. Com esta estratégia em mente, ele costuma abrir as apresentações de pitch da AfroSaúde com a seguinte pergunta: “por quantos médicos negros você já foi atendido?”.