Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.969,03
    +15,75 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Zuri: juba surge em leoa de 18 anos de um zoológico dos EUA

Uma leoa de 18 anos do Zoológico de Topeka, nos Estados Unidos, chamada Zuri, começou a exibir uma juba, tal qual um macho da espécie — mesmo o dimorfismo sexual sendo uma característica marcante entre os leões. Isso quer dizer que as fêmeas e machos são bem diferentes, com os leões apresentando jubas marrons enormes e as fêmeas tendo apenas uma pelagem amarela curta por todo o corpo.

A leoa Zuri viveu com um companheiro macho, chamado Avus, até 23 de outubro de 2020, quando ele veio a óbito. Era o único macho da alcateia, composta de três espécimes. Depois do acontecimento, os funcionários começaram a notar o crescimento capilar de Zuri: eles relatam que a leoa é dominante, mas que a juba não chega a ser como a de um macho.

A pelagem mais curta do que a de um leão e menos cheia, mas ostenta um considerável moicano arrepiado. Veja Zuri com uma de suas companheiras de alcateia abaixo:

Jubas raras

Ao NPR, a curadora de animais do zoológico de Topeka, Shanna Simpson, comentou que o acontecimento é muito raro: em cativeiro, isso ainda não havia sido visto "naturalmente". Há algumas teorias acerca disso, com a predominante fazendo referência à perda de Avus. Ao Live Science, no entanto, o cientista conservacionista Kris Everatt disse que isso é balela: não há nenhum motivo evolutivo para isso, e seria nada mais do que um evento aleatório.

Não é a primeira vez que o acontecimento é relatado: em Botswana, 5 fêmeas de uma alcateia selvagem foram vistas ostentando jubas, e uma delas também se comportava como um macho, montando nas outras fêmeas e rugindo. Uma das explicações propostas foi a de que elas teriam um alto nível de testosterona, já que a fêmea mais "masculina" não foi vista tendo filhotes em anos — o hormônio pode causar infertilidade às fêmeas.

Como não foram realizados testes hormonais nas leoas, isso não foi comprovado. Abaixo, veja a diferença de tamanho entre os espécimes, que denunciam a leoa cabeluda:

Já em 2017, uma leoa de 18 anos chamada Bridget começou a crescer uma juba no Zoológico Municipal de Oklahoma, nos Estados Unidos. Após alguns exames, no entanto, foi encontrado um tumor nas glândulas suprarrenais da fêmea, que aumentou o nível de diversos hormônios, incluindo cortisol e androstenediona, identificados pelo sangue. A doença foi a suspeita de ter causado o aparecimento da juba.

Normalmente, os machos começam a ter juba entre 18 meses e 2 anos de idade, quando atingem a maturidade sexual; leões castrados, no entanto, não desenvolvem a característica. Uma explicação teorizada para a juba de Zuri é sua idade: leões selvagens vivem por até 15 ou 16 anos, então atingir a marca de 18 primaveras é bastante, mesmo para um espécime em cativeiro. Sua natureza hirsuta, então, poderia ser explicada por mudanças hormonais decorrentes da idade. Segundo o zoológico, a leoa está saudável e não apresenta sinais de doenças.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: