Mercado fechará em 3 h 40 min
  • BOVESPA

    110.935,23
    +2.041,91 (+1,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.481,34
    +702,47 (+1,68%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,80
    -0,54 (-1,19%)
     
  • OURO

    1.810,90
    +30,00 (+1,68%)
     
  • BTC-USD

    19.267,26
    -132,51 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,08
    -0,78 (-0,21%)
     
  • S&P500

    3.674,13
    +52,50 (+1,45%)
     
  • DOW JONES

    30.059,64
    +421,00 (+1,42%)
     
  • FTSE

    6.387,43
    +121,24 (+1,93%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.419,50
    +142,50 (+1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3049
    -0,0563 (-0,89%)
     

Zuckerberg sobre marcas que boicotam Facebook: “elas vão voltar”

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
Mark Zuckerberg, CEO do Facebook (Foto: Chip Somodevilla/Getty Images)
Mark Zuckerberg, CEO do Facebook (Foto: Chip Somodevilla/Getty Images)

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, parece confiante de que o boicote que sua empresa vem sofrendo de grandes marcas vai terminar em breve. Segundo o site The Information, que obteve informações de uma fonte interna do Facebook, Zuckerberg falou em reunião na semana passada que essas marcas devem “voltar em breve”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

“Minha aposta é de que esses anunciantes vão retornar à plataforma em breve”, disse Zuckerberg, segundo reportagem que repercutiu na mídia internacional nesta quinta-feira (2). E ele teria falado mais: “Não vamos mudar nossas políticas ou abordagem sobre qualquer coisa por conta de uma ameaça a uma pequena porcentagem da nossa receita”.

Leia também

A mensagem do CEO é clara: o Facebook não deve se sentir ameaçado pela possibilidade de boicote publicitário. E não é a pressão de grandes corporações que vai fazer seus planos mudarem.

Apesar dessa postura mais combativa nos bastidores, publicamente o Facebook tem se mostrado atento às demandas das marcas, que pedem por uma postura mais dura do Facebook no combate ao discurso de ódio na plataforma. O boicote começou no mês passado, liderado por organizações da sociedade civil dos Estados Unidos.

Em pouco tempo, o movimento engrossou, com grandes marcas aderindo: Coca-Cola, Starbucks, Unilever, entre outras, que anunciaram a interrupção de seus investimentos em anúncios pagos tanto no Facebook quanto no Instagram como forma de pressionar a empresa.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.