Mercado fechará em 51 mins
  • BOVESPA

    107.702,92
    +844,05 (+0,79%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.632,38
    +26,82 (+0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,61
    +3,12 (+4,49%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    51.137,49
    +2.189,96 (+4,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.316,66
    -4,62 (-0,35%)
     
  • S&P500

    4.686,19
    +94,52 (+2,06%)
     
  • DOW JONES

    35.708,75
    +481,72 (+1,37%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.334,25
    +491,50 (+3,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3391
    -0,0845 (-1,32%)
     

Zuckerberg pode virar réu em processo por vazamento de dados

·1 min de leitura
 Mark Zuckerberg
Caso veio à tona em 2018 e envolve o vazamento de dados de mais de 87 milhões de pessoas

(Somodevilla/Getty Images)

  • Mark Zuckerberg pode virar réu em processo 

  • Declaração foi dada hoje por Karl Racine, procurador-geral do Distrito da Columbia

  • Caso envolve o vazamento de dados para a Cambridge Analytica

O procurador-geral do Distrito da Columbia, Karl Racine, informou que planeja incluir Mark Zuckerberg como réu processo sobre o escândalo envolvendo a Cambridge Analytica em 2018. A declaração foi dada nesta quarta-feira (20).

Esta é a primeira vez que o bilionário é responsabilizado pessoalmente por uma ação contra o Facebook. O caso, que levou Zuckerberg a depor durante mais de 10 horas no Congresso norte-americano, aponta que a rede social teria vazado dados de mais de 87 milhões de pessoas à firma de marketing político.

Leia também:

Segundo Racine, “Zuckerberg consciente e ativamente participou de cada decisão que levou à coleta em massa de dados de usuários do Facebook pela Cambridge Analytica e às declarações falsas do Facebook aos usuários sobre a segurança de seus dados".

O procurador ainda comentou que a escolha de adicionar o bilionário no processo “é inquestionável” e que os CEOs devem ser responsabilizados por suas ações.

Em nota, Andy Stone, porta-voz do Facebook, disse que “essas alegações são tão sem mérito hoje quanto eram há mais de três anos, quando o Distrito apresentou sua queixa”, e que a empresa continuará se “defendendo vigorosamente” com base nos fatos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos