Mercado abrirá em 1 h 32 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,87
    +0,26 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.845,30
    -5,60 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    31.349,50
    -322,83 (-1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    629,48
    -10,44 (-1,63%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.635,53
    -18,48 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.546,75
    +61,25 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5096
    -0,0012 (-0,02%)
     

Zuckerberg deve pedir que os EUA atualizem 'regras para a Internet'

Por Glenn CHAPMAN
·2 minuto de leitura
O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, em foto de arquivo de 2019.

O chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, vai contar em uma grande audiência antimonopólio na quarta-feira (29) que sua rede social não teria sucesso sem as leis americanas que regulam a concorrência, mas também deve pedir que as regras da Internet sejam atualizadas.

"O Facebook é uma empresa orgulhosamente americana", destaca Zuckerberg em um discurso preparado antecipadamente para o encontro com o Comitê Judicial da Câmara.

"Nossa história não seria possível sem as leis americanas que incentivam a concorrência e a inovação", acrescenta.

Zuckerberg também reconhece "preocupações sobre o tamanho e o poder das empresas de tecnologia".

"É por isso que pedi um papel mais ativo para governos e reguladores além de regras atualizadas para a Internet", continua.

A audiência sem precedentes também contará com os dirigentes Tim Cook, da Apple, Jeff Bezos, da Amazon, e Sundar Pichai, do Google e de sua controladora, Alphabet.

Os CEOs de quatro das empresas mais poderosas do mundo vão testemunhar remotamente a menos de 100 dias antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, deve descrever a gigante do comércio eletrônico como um "sucesso" dos EUA, apesar de reconhecer que sua empresa deve ser "avaliada", afirmou em uma rede social.

Em uma mensagem mais desafiadora, Bezos postou: "quando você se olha no espelho, avalia as críticas e ainda acredita que está fazendo a coisa certa, nenhuma força no mundo poderá detê-lo".

O debate ocorre em meio a preocupações crescentes com o domínio das gigantes de tecnologia, ainda mais evidente durante a pandemia de coronavírus.

"Por fim, acredito que as empresas não deveriam fazer tantos julgamentos sobre questões importantes, como conteúdo nocivo, privacidade e integridade das eleições por conta própria", destacou.

- Grande vs má -

A expectativa é de que o debate extrapole o tema do abuso de poder nos mercados.

As atuais leis antimonopólio dos EUA dificultam maiores restrições à empresas simplesmente por serem grandes ou dominantes, sem danos aos consumidores ou abuso de poder de mercado.

"Acreditamos nos valores - democracia, competição, inclusão e liberdade de expressão - sobre os quais a economia americana foi construída", diz Zuckerberg.

Ele deve citar o exemplo da China que desenvolve e exporta uma versão da Internet com "ideias muito diferentes" do modelo americano.

"Acredito que seja importante manter os valores centrais de abertura e justiça que fizeram da economia digital da América uma força de empoderamento e oportunidade aqui e ao redor do mundo", continua Zuckerberg.

Também se espera que os diretores das empresas de tecnologia enfatizem como beneficiam os consumidores, principalmente durante a pandemia, e enfrentam a concorrência - principalmente da China.

Gigantes da mídia social enfrentam ataques por supostamente usar seu domínio para reprimir visões conservadoras - uma afirmação feita pelo presidente Donald Trump.

O Facebook tem sido acusado por não controlar discursos de ódio que promovem a violência, inclusive de Trump.