Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.111,76
    +46,00 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Zuckerberg é o 'arquiteto' do novo capítulo da Meta, diz executivo da empresa

O metaverso, mundo virtual onde se pode levar uma vida paralela, é criação de Mark Zuckerberg e “é lógico” que ele seguirá com o projeto, disse o presidente de Assuntos Globais da Meta, Nick Clegg.

Em um momento em que grandes corporações costumam ter uma rotatividade em suas lideranças, Clegg defendeu a permanência de Zuckerberg, que tem 38 anos e “muita energia”, na empresa-mãe do Facebook.

“Esse é um projeto de muitos anos. Para mim, seria lógico que Mark Zuckerberg queira continuar, construir esse novo capítulo dessa empresa, e isso vai durar muitos, muitos anos”, afirmou Clegg à AFP.

“É o fundador da empresa, a Meta, mas também o arquiteto do novo capítulo, dessa construção, dessas tecnologias de realidade aumentada e realidade virtual”, acrescentou o executivo, que participa da Cúpula das Américas em Los Angeles.

Clegg destacou as amplas oportunidades para a América Latina com o metaverso, como o fato de que, por meio de sofisticados dispositivos, uma professora poderá levar seus alunos à Grécia Antiga ou um estudante de medicina poderá praticar uma cirurgia.

Ele explicou que, no futuro, o acesso ao metaverso não ocorrerá apenas por óculos. “Nos próximos anos, as pessoas também poderão ter acesso a essas tecnologias novas por seus celulares”, disse.

“Trabalhamos para explorar como podemos ampliar e levar esse acesso a todos, não apenas a quem pode pagar pelos novos e últimos hardwares”, observou.

“A tecnologia em si não pode resolver a desigualdade que existe na sociedade. Mas proporciona oportunidades que não existiam antes. Na pandemia, a tecnologia permitiu que as pessoas trabalhassem de casa, o que não era possível antes”, acrescentou Clegg.

mav/yow/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos