Mercado abrirá em 8 h 51 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,24
    -0,26 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.767,20
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    22.798,99
    -643,15 (-2,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,99
    -15,74 (-2,82%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.860,20
    +96,29 (+0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.952,19
    +10,05 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.499,75
    -23,50 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Zoom em foto do James Webb mostra todo o poder do novo telescópio

A NASA divulgou nesta terça-feira (12) as cinco primeiras imagens feitas com o telescópio espacial James Webb, que durante as próximas duas décadas nos ajudará a desvendar os segredos do universo. E é justamente a primeira imagem, apresentada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que nos dá uma ideia da capacidade do instrumento.

Ela mostra uma região do espaço conhecida como SMACS 0723 (mais precisamente, “SMACS J0723.3-7327”), um aglomerado de galáxias na constelação sul de Volans, o Peixe voador, localizado a 4,6 bilhões de anos-luz de distância.

Mas foi um tuíte publicado por Eric Pilon-Bignell que nos deu uma dimensão da imensidão do universo e da escala na qual os astrônomos trabalham. Usando o Worldwide Telescope, um “telescópio virtual” que reúne dados de vários observatórios, criado pela Associação Astronômica Americana, ele colocou a região fotografada pelo Webb em contraste com o céu observável aqui da Terra.

Como disseram os próprios astrônomos da NASA, em relação ao céu observável a região fotografada é “do tamanho de um grão de areia, sobre a unha do dedão em um braço estendido à sua frente”.

Para formar essa imagem, a Near-Infrared Camera (NIRCam) fotografou a área em diferentes comprimentos de onda, totalizando 12,5 horas de observação. Este foi o tempo necessário para obter tanta informação dos fótons que atingiram os espelhos do telescópio.

Se tudo isso apareceu em um pedacinho tão pequeno do céu, imagine o que vem por aí nos próximos meses ou anos!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos