Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,73
    -0,42 (-0,51%)
     
  • OURO

    1.662,10
    -7,90 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    19.444,98
    +337,48 (+1,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,13
    +15,35 (+3,58%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.375,14
    +201,16 (+0,77%)
     
  • NASDAQ

    11.538,00
    -17,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2269
    -0,0057 (-0,11%)
     

Zona do euro confirma inflação de 9,1% com alta nos preços de energia e alimento

Comprador paga mercadorias com nota de 10 euros em mercado em Nice, França

BRUXELAS(Reuters) - A inflação na zona do euro atingiu outro recorde de 9,1% em agosto, confirmou o escritório de estatísticas da União Europeia Eurostat nesta sexta-feira, impulsionada pela disparada de preços de energia e alimentos

A inflação dos preços no consumidor nos 19 países que utilizam o euro aumentou 0,6% em termos mensais e 9,1% na comparação anual, a taxa mais elevada desde a criação do euro em 1999.

Em estimativa preliminar no final de agosto, o Eurostat havia informado uma variação mensal de 0,5%. O valor anual de 9,1% não foi revisado.

O Eurostat disse que 3,95 pontos percentuais da variação da inflação no ano vieram de energia mais cara -com custos aumentando devido à invasão da Ucrânia pela Rússia- e 2,25 pontos, de alimentos, álcool e tabaco. Mas mesmo excluindo os preços voláteis de energia e alimentos não processados --o que o Banco Central Europeu chama de núcleo de inflação-- os preços ainda estavam 5,5% acima do ano anterior, de 5,1% em julho.

Os bens industriais ficaram 5,1% mais caros do que 12 meses antes, com os preços dos serviços subindo 3,8%.

O BCE, cuja meta de inflação é de 2%, na semana passada elevou suas principais taxas de juros em 75 pontos-base e prometeu mais altas.

(Por Philip Blenkinsop)