Mercado abrirá em 23 mins

Zimbábue atravessa nova e grave crise econômica

Por Fanuel JONGWE
Zimbabuano mostra garrafa da óleo, em Harare, em agosto de 2019, em protesto contra altob custo dos produtos básicos

Em um supermercado de Harare, um zimbabuano pega um pedaço de pão. Ele olha para a etiqueta e coloca o produto de volta na prateleira, porque não pode pagar. O preço voltou a subir um terço em apenas poucos dias.

Fora do shopping, uma fila de carros com um quilômetro de comprimento aguarda até que o posto de gasolina, vazio, seja reabastecido com combustível.

O Zimbábue está sendo atingido pela mais forte crise econômica em uma década, que inclui a escassez de produtos básicos, como gasolina e farinha de milho.

A cada semana, os preços das commodities aumentam, à medida que o valor do dólar zimbabuano também sobe, elevando a inflação anual para 785,6% em abril.

A pobreza está piorando entre boa parte da população.

Diferentes agências da ONU apontam que 7,7 milhões de pessoas, metade da população, precisam de assistência alimentar. O pão subiu 36% no mês passado e, na última semana, um saco de 10 quilos de farinha de milho subiu 30%.

Na quarta-feira, o preço da gasolina subiu 152%. Um aumento semelhante em janeiro de 2019 mergulhou o país em uma série de protestos em todo território, com pelo menos 17 mortes.

Em uma medida inesperada que aumentou a confusão de uma população já muito preocupada e cansada, o governo suspendeu as transações por celular na sexta-feira à noite. Esta é a plataforma mais usada para fazer e receber pagamentos em um país em crise.

O governo disse ter tomado esta decisão para "controlar as más práticas, a criminalidade e a sabotagem econômica".

Apesar do anúncio, a operadora EcoCash desafiou o governo e convocou seus mais de 10 milhões de usuários a continuarem a fazer essas transações.

O economista Prosper Chitambara, do Instituto do Trabalho e Desenvolvimento Econômico do Zimbábue, disse que o país está à beira de outro episódio de hiperinflação. O Banco Mundial prevê que a economia deste país africano sofrerá uma contração de 10%.