Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.435,71
    +708,70 (+2,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

YouTube vai remover vídeos com desinformação sobre aborto

O YouTube vai remover vídeos com desinformação sobre aborto para evitar a disseminação de fake news ligadas ao tema. Serão contempladas na ação orientações sobre métodos não seguros de interrupção da gravidez e mentiras sobre efeitos colaterais. A plataforma deve excluir também conteúdos que promovam falsas alegações sobre o aborto legal, aqueles feitos em casos de estupro, por exemplo.

Mesmo abortos químicos e cirúrgicos, considerados seguros por autoridades, podem sofrer sanções se o vídeo contradisser políticas da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre práticas médicas. Não é tão difícil encontrar vídeos com recomendações para se remover um feto, inclusive com métodos abortivos considerados naturais, mas que podem prejudicar a saúde da mulher, causar hemorragias e até levar a morte.

O Google possui uma rígida diretriz contra temas médicos que possam colocar em risco a saúde das pessoas. Em geral, a empresa considera desinformação tudo que vai contra o que especialistas conceituados e autoridades de saúde dizem sobre determinado assunto.

"Priorizamos conectar as pessoas ao conteúdo de fontes autorizadas sobre tópicos de saúde", explicou a plataforma em seu perfil oficial no Twitter. A regra já está valendo e será aplicada ao mundo inteiro, sem distinção.

O YouTube também adicionará um painel informativo sobre aborto baseado nas afirmações de autoridades de saúde. Assim como ocorria na covid-19 e em outros assuntos com muita desinformação, esse local deve trazer dados contextualizados e links para sites confiáveis.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos