Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,38
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.761,10
    -5,70 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    63.068,10
    -38,70 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.400,48
    +19,53 (+1,41%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.765,39
    -27,75 (-0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.689,22
    +46,53 (+0,16%)
     
  • NASDAQ

    13.969,50
    -44,50 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7096
    -0,0115 (-0,17%)
     

YouTube vê queda de 70% na audiência de vídeos impróprios

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

O YouTube revelou nesta semana novos números relacionados ao alcance e audiência de vídeos que não respeitam os termos de uso da plataforma, relatando uma queda de 70% na audiência de materiais impróprios desde 2017. Os dados, a partir de agora, passarão a fazer parte dos relatórios de transparência da empresa, que contarão com uma métrica adicional, que foi batizada de Taxa de Visualizações Violadoras, ou VVR na sigla em inglês.

Em 2020, essa taxa variou entre 0,16% e 0,18%, o que, na prática, significa que a cada 10 mil visualizações registradas pelo YouTube, entre 16 e 18 foram registradas em vídeos fora das normas. É nesse número que está a queda de 70% registrada, uma vez que, apesar de divulgar a métrica apenas agora, a plataforma já realiza essa análise desde 2017 e, há anos, também divulga relatórios de transparência que indicam o total de conteúdos retirados do ar e outras medidas de moderação.

Os dados, aliás, servem para que a companhia fale novamente sobre o sucesso de tais medidas. Novos números não foram revelados, mas o YouTube reafirmou uma antiga marca: 94% dos vídeos irregulares são detectados automaticamente antes mesmo de serem denunciados pelos usuários, enquanto 75% acabam removidos antes de chegarem à marca de 10 visualizações.

<em>Apesar de divulgada apenas agora, taxa de VVR é calculada pelo YouTube desde 2017; queda na porcentagem de visualizações em vídeos impróprios, para plataforma, é sinal do sucesso nas medidas de moderação (Imagem: Divulgação/YouTube)</em>
Apesar de divulgada apenas agora, taxa de VVR é calculada pelo YouTube desde 2017; queda na porcentagem de visualizações em vídeos impróprios, para plataforma, é sinal do sucesso nas medidas de moderação (Imagem: Divulgação/YouTube)

Tais métricas passam a caminhar lado a lado com o VVR, já que, para o YouTube, mesmo um vídeo que permanece no ar por horas, mas arrebanha uma boa quantidade de visualizações pode ser danoso. A ideia é sempre manter essa taxa a mais baixa possível, como medida de reduzir o alcance e ajudar a treinar sistemas de moderação automática e manual para que as contagens de conteúdos que infrinjam as normas sejam cada vez menores.

O total é calculado a partir de uma amostra da audiência total do YouTube. Uma parcela significativa é separada e moderadores humanos analisam os conteúdos que fazem parte da amostragem, descobrindo quais e quantos deles estão fora das regras. Os totais de visualizações, então, são contabilizados e analisados por cientistas de dados que chegam à taxa do VVR. Desde já, a plataforma afirma que o total pode variar bastante de acordo com mudanças nas regras da plataforma ou tentativas coordenadas de manipulação de informação.

Entre os conteúdos que ferem as regras do YouTube estão cenas com nudez ou conteúdo sexual não educacional, atos violentos explícitos, discurso de ódio ou tentativas de golpes, por exemplo. Outras políticas também englobam fake news, conteúdo manipulador, incitação de ódio ou quebras na privacidade de terceiros; ocorrências repetidas podem levar a restrições nos canais dos criadores ou até mesmo ao banimento completo pelo serviço.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: