Mercado abrirá em 3 h 22 min
  • BOVESPA

    124.612,03
    -1.391,83 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.910,53
    +12,74 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,43
    +0,78 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.800,30
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    39.786,84
    +2.461,62 (+6,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    934,68
    +58,45 (+6,67%)
     
  • S&P500

    4.401,46
    -20,84 (-0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.058,52
    -85,79 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.009,72
    +13,64 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.991,50
    +43,75 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1154
    +0,0070 (+0,11%)
     

YouTube remove 15 vídeos do canal de Bolsonaro

·3 minuto de leitura
YouTube remove 15 vídeos do canal de Bolsonaro
YouTube remove 15 vídeos do canal de Bolsonaro

Conteúdo falso e violação à política de informações médicas corretas sobre a Covid-19. Alegando essas transgressões, o YouTube removeu 15 vídeos do canal oficial do presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (22/07). Dos 15 conteúdos derrubados, 14 eram lives realizadas ao vivo por Bolsonaro, e que depois ficavam listadas em seu canal. A ação faz eco à suspensão do ainda presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em janeiro – então pela invasão do Capitólio.

Guilherme Amado, colunista do jornal Metrópoles, revelou que, entre os vídeos retirados do ar pelo YouTube, estão as lives em que o presidente Jair Bolsonaro recebeu o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no dia 6 de agosto, e outra com Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Além destes, foi citado um em que o presidente entrevistou a médica Nise Yamagushi, uma das maiores defensoras do tratamento com cloroquina, comprovadamente ineficaz no tratamento da Covid-19.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

“Após análise cuidadosa, removemos vídeos do canal Jair Bolsonaro por violar nossas políticas de informações médicas incorretas sobre a Covid-19. Nossas regras não permitem conteúdo que afirma que hidroxicloroquina e/ou ivermectina são eficazes para tratar ou prevenir Covid-19; garante que há uma cura para a doença; ou assegura que as máscaras não funcionam para evitar a propagação do vírus”, justificou o YouTube, em comunicado enviado ao colunista.

Risco de banimento

O YouTube removeu 15 vídeos do presidente Jair Bolsonaro como uma espécie de alerta ao presidente, que utiliza suas redes sociais, incluindo Twitter e Facebook, para disseminar fake news e conteúdo negacionista em relação à pandemia que já matou mais de meio milhão de pessoas no Brasil. De acordo com as orientações da plataforma, o canal oficial do presidente está em vias de sofrer uma punição mais grave, chamada de strike, e corre até o risco de banimento definitivo.

O strike ocorrerá na próxima violação às regras que for detectada pelo YouTube. Isso significa que Bolsonaro terá de ficar uma semana sem postar qualquer conteúdo na plataforma de vídeos. A insistência nas transgressões levará a um eventual banimento. Apesar de já ter tido outras publicações removidas, nenhuma sanção (além da exclusão) foi aplicada antes pelo fato de as novas políticas ainda não serem válidas à época.

Em sua página de diretrizes, o YouTube deixa claro que o “senso de responsabilidade” é o que vai determinar se um conteúdo é ofensivo ou enganoso. “Talvez você não goste de tudo que vê no YouTube. Se achar que um conteúdo é inadequado, use o recurso de sinalização para que a equipe do YouTube o analise. Todos os dias, nossa equipe analisa cuidadosamente conteúdo sinalizado para determinar se há violação das diretrizes da comunidade”, diz o texto.

Segundo o YouTube, as diretrizes foram alteradas para ficar de acordo com a orientação das autoridades de saúde locais e globais. “Aplicamos nossas políticas de forma consistente em toda a plataforma, independentemente de quem seja o produtor de conteúdo ou de visão política”, concluiu a plataforma.

Imagem: Luan Rezende/iStock

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos