Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    36.655,23
    +549,39 (+1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Youtube e Netflix reduzem velocidade na Europa para evitar bloqueio da internet

·1 minuto de leitura

Netflix e Youtube reduzirão a qualidade do streaming de vídeos para diminuir a pressão sobre a internet na Europa, onde vários países decretaram confinamento para conter a propagação do novo coronavírus.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Depois de conversar com o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, a Google, proprietária do Youtube, decidiu seguir os passos do Netflix, que na quinta-feira tomou a decisão de reduzir a velocidade em todo os fluxos de transmissão na Europa durante 30 dias.

Leia também

"Nos comprometemos a mudar temporariamente todo o tráfego da UE para a definição standard como parão", afirma um comunicado divulgado pela Google, que também expressa o compromisso da empresa a trabalhar com governadores e operadores de rede.

O teletrabalho e o confinamento na Europa para evitar a propagação da pandemia provocaram um aumento do tráfego na internet, o que levou Breton a entrar em contato nos últimos dias com as plataformas digitais para reduzir a pressão.

A Europa se tornou o epicentro da pandemia, que começou na China em dezembro e infectou desde então mais de 240.000 pessoas e que se aproxima da barreira simbólica de 10.000 mortes no mundo.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.