Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.954,43
    -66,34 (-0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Yields saltam na Europa e EUA com sinais de inflação persistente

(Bloomberg) -- Os yields dos títulos soberanos na Europa e nos EUA dispararam com sinais de que a inflação continua persistente e é cedo para esperar que os bancos centrais desacelerem seus ciclos de aperto.

Uma onda que começou na zona do euro rapidamente se espalhou para os Treasuries americanos na sexta-feira, e os yields de 10 anos subiram até 0,13 ponto percentual.

Dados de inflação na França, Alemanha e Itália superaram as expectativas dos analistas e levaram o mercado a desfazer apostas de que o fim dos aumentos agressivos de juros estaria próximo.

Expectativas que bancos centrais, incluindo o Federal Reserve, estariam se preparando para desacelerar o ritmo do aperto monetário haviam alimentado uma queda nos yields nos últimos dias. Mas a inflação mostra poucos sinais de alívio.

“Os bancos centrais definitivamente ainda não podem reivindicar vitória na luta contra a inflação”, disse Gregoire Pesques, gestor da Amundi. “Para realmente haver uma reversão no mercado, precisa haver uma diminuição na volatilidade.”

O mercado ficará de olho em qualquer sinal de que as autoridades do Fed estejam suavizando sua postura hawkish quando definirem a taxa de juros na próxima semana.

Embora se espere que eles aumentem os juros em mais 0,75 ponto percentual, a presidente do Fed de San Francisco, Mary Daly, disse na semana passada que os formuladores de política monetária devem começar a planejar uma redução no tamanho dos aumentos de juros, o que ajudou a alimentar a especulação de que o ritmo agressivo de aperto deve desacelerar.

Os sinais dovish “podem levar a outro FOMC volátil se o Fed decidir ir contra um afrouxamento das condições financeiras com uma nova retórica hawkish”, disse James Wilson, gestor sênior da Jamieson Coote Bonds, que administra US$ 3,7 bilhões.

O JPMorgan Asset Management está entre os que apostam que a alta dos yields tem fôlego, apesar de apostas renovadas de que o Fed começará a cortar juros no próximo ano.

--Com a colaboração de Greg Ritchie e Naomi Tajitsu.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.