Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,05
    +1,65 (+1,47%)
     
  • OURO

    1.814,60
    -4,30 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    30.507,33
    +424,05 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    686,57
    +443,89 (+182,91%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    27.035,04
    +375,29 (+1,41%)
     
  • NASDAQ

    12.551,50
    -8,75 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2187
    +0,0083 (+0,16%)
     

Yields reais positivos nos EUA pioram perspectiva de emergentes

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A longa lista de preocupações para os gestores de mercados emergentes corre o risco de se expandir ainda mais com rendimentos reais positivos nos EUA, que pioram uma perspectiva já obscurecida pela desaceleração do crescimento e pela guerra na Ucrânia.

Os primeiros sinais de alerta vieram na semana passada, quando o yield ajustado pela inflação dos títulos do Tesouro americano de 10 anos subiu brevemente acima de zero pela primeira vez em dois anos.

Embora o nível não tenha se mantido por muito tempo, sinalizou uma virada. A era dos rendimentos negativos que levaram os investidores a correr para os mercados emergentes em busca de retornos mais altos pode estar chegando ao fim, à medida que o Federal Reserve aumenta juros de forma agressiva.

Um aumento sustentado e significativo dos rendimentos reais nos EUA seria uma má notícia para os países em desenvolvimento, pois normalmente puxa uma alta do dólar e suga capital de ativos mais arriscados, como aconteceu em 2008 e 2013.

Os investidores já se preparam para esse resultado: a Franklin Templeton corta posições em dívidas de alto rendimento, enquanto a Fidelity International aposta contra moedas de mercados emergentes e a State Street evita dívidas locais de nações com finanças fracas.

“À medida que os rendimentos dos EUA entram em território positivo, isso começa a apertar as condições financeiras e pressiona muitos mercados emergentes, particularmente os mais fracos”, disse. Mohieddine Kronfol, diretor de investimentos de renda fixa para Oriente Médio e Norte da África na Franklin Templeton. “Ainda achamos que há muito com o que se preocupar, desde crescimento à geopolítica e da inflação à política monetária”.

Não se trata apenas da chegada de rendimentos reais positivos nos EUA, mas do fato de que chegam em um momento ruim para os mercados emergentes. A inflação no mundo em desenvolvimento permanece alta no segundo trimestre, o que desmente a expectativa de alguns gestores de que atingiria o pico no final de março.

Isso significa que levará ainda mais tempo antes que as próprias economias emergentes possam oferecer aos investidores juros reais positivos, o que os deixa em desvantagem em relação aos EUA. Até 35 das 42 nações monitoradas pela Bloomberg têm taxas negativas. Os 47% negativos da Turquia são a pior taxa real do mundo.

“Estávamos esperando que a inflação dos mercados emergentes começasse a atingir o pico já no primeiro trimestre, mas ficou impossível prever após o forte aumento nos preços das commodities com a guerra na Ucrânia”, disse Guido Chamorro, co-diretor de dívida em moeda forte de mercados emergentes na Pictet Asset Management.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos