Mercado abrirá em 7 h 49 min
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,59
    +1,00 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.813,20
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    29.116,47
    -797,39 (-2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,70
    -21,98 (-3,28%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.179,30
    -464,98 (-2,25%)
     
  • NIKKEI

    26.441,01
    -470,19 (-1,75%)
     
  • NASDAQ

    11.942,00
    +6,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2374
    +0,0191 (+0,37%)
     

Yield real positivo nos EUA muda tudo em mercados globais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Ações de tecnologia em queda renovada, otimismo com títulos do Tesouro, dólar perto de novas máximas e tempos difíceis para crédito.

Essas são as expectativas dos investidores à medida que os mercados de títulos dão mais um passo em direção à normalidade pré-pandemia, após os rendimentos de títulos do Tesouro ajustados à inflação subirem acima de zero.

De volta ao território positivo pela primeira vez em mais de dois anos, o yield real ameaça remover um pilar fundamental de apoio a ativos de risco, como ações e crédito, e desencadear uma reavaliação de dívida soberana.

Veja como investidores e estrategistas veem o impacto de rendimentos reais positivos nos mercados globais:

Techs

As ações de tecnologia mais caras provavelmente sofrerão maior pressão, já que a virada prejudica os valuations - a alta nos rendimentos reais desempenhou um papel em empurrar o Nasdaq 100 para um mercado de baixa no início deste ano.

“As ações de tecnologia se destacam como as mais afetadas, principalmente ações de empresas com lucros baixos ou negativos”, disse Rajeev De Mello, gerente global de portfólio macro da GAMA Asset Management.

Balanço do Tesouro

O sentimento negativo em relação aos títulos do Tesouro também pode mudar se os investidores acreditarem que estão começando a obter um retorno aceitável.

Anos de rendimentos reais negativos forçaram investidores a amargar perdas com a dívida do governo, pois os bancos centrais reduziram as taxas de juros para combater os efeitos da pandemia.

“Com um rendimento real negativo, os investidores se deparam com a percepção de que investir em títulos do Tesouro os prende a um retorno negativo, após o ajuste pela inflação, então eles passam para ativos mais arriscados, como crédito e ações”, disse Todd Schubert, chefe de pesquisa de renda fixa do Bank of Singapore. “Se isso reverter, o oposto se aplica.”

Crédito

Os títulos corporativos enfrentam “fortes ventos contrários” se os rendimentos reais continuarem a ser a força dominante que eleva as taxas em vez das expectativas de crescimento, disseram estrategistas do Goldman Sachs, incluindo Lotfi Karoui, em nota recente.

Um indicador da Bloomberg de títulos corporativos com grau de investimento em dólar perdeu mais de 12% este ano, à medida que os yields e spreads aumentaram. O indicador caminha para o pior ano de todos os tempos, de acordo com dados que remontam à década de 70.

Dólar

O aumento nos rendimentos reais é um bom presságio para a moeda de reserva mundial, que subiu junto com as expectativas de aumentos de juros nos EUA para combater a inflação mais alta em quatro décadas. O dólar se fortaleceu contra a maioria dos pares do Grupo dos 10 no mês passado.

A demanda pelo dólar “ressalta a importância da era em que estamos – o verdadeiro descolamento da política de taxa de juros zero chegou, e o Federal Reserve dos EUA está no controle dessa narrativa”, disse Brian Gould, chefe de negociação da Capital.com em Sydney.

Emergentes

Enquanto isso, moedas de nações em desenvolvimento podem se encontrar entre as maiores baixas.

O índice MSCI de moedas de mercados emergentes caiu 1% até agora este mês, com os pesos argentino e chileno e o forint húngaro entre os principais declínios. O equivalent equity index caiu 11% este ano, pior que o S&P 500.

Na Ásia, o dólar de Taiwan e o ringgit da Malásia estão entre os maiores perdedores.

“Os aumentos das taxas na Ásia ainda estão nos estágios iniciais, então o diferencial nos rendimentos reais favorece o dólar americano neste momento”, disse Leonard Kwan, gerente de portfólio de renda fixa de mercados emergentes no T. Rowe Price Group, em Hong Kong.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos