Mercado fechará em 2 h 18 min
  • BOVESPA

    113.467,42
    -240,34 (-0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.527,59
    -206,45 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,35
    +3,24 (+3,68%)
     
  • OURO

    1.770,80
    -5,90 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    23.406,82
    -5,47 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,87
    +1,14 (+0,20%)
     
  • S&P500

    4.280,37
    +6,33 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    33.910,18
    -70,14 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.538,25
    +45,00 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2414
    -0,0178 (-0,34%)
     

Yellen vê algum uso em intervenção cambial, mas não para vantagem competitiva

Secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen

NUSA DUA, Indonésia (Reuters) - Mercados emergentes e países de baixa renda podem se beneficiar, em alguns casos, da gestão do fluxo de capital e da intervenção cambial, mas não devem usar essas ferramentas para obter uma vantagem competitiva injusta ou atrasar ajustes no balanço de pagamentos, disse a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, nesta sexta-feira.

Yellen disse às autoridades financeiras do Grupo dos 20 de grandes economias que a guerra da Rússia contra a Ucrânia está exacerbando a inflação e prejudicando as posições fiscais dos governos, ao mesmo tempo que gera fluxos de capital mais voláteis --num momento em que muitos países ainda estão se recuperando da pandemia de Covid-19.

O aperto das condições financeiras está provocando uma saída de investimentos em carteiras de mercados emergentes, disse Yellen, observando que é essencial que os países mantenham ou reforcem suas estruturas para gerenciar os riscos associados.

Ela disse que a nova Estrutura Integrada de Política do Fundo Monetário Internacional, apresentada em março, pode ajudar os países a analisarem suas opções, e permitir que um conjunto mais amplo de ferramentas ajuda os países a atingirem os objetivos domésticos.

Isso significa que os mercados emergentes e os países de baixa renda poderiam se beneficiar, em algumas circunstâncias, da gestão do fluxo de capitais e da intervenção cambial, juntamente com políticas monetárias, fiscais e macroprudenciais.

Mas Yellen, que muitas vezes ressalta a necessidade de taxas de câmbio orientadas pelo mercado, disse que há limites para o uso de tais ferramentas.

"Por exemplo, continua sendo importante que a intervenção cambial não seja usada para criar uma vantagem competitiva injusta ou atrasar os ajustes necessários no balanço de pagamentos", disse ela.

(Por Andrea Shalal)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos