Mercado abrirá em 2 h 33 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,53
    +0,77 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.803,20
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    62.763,84
    +1.586,61 (+2,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.242,58
    +38,03 (+0,53%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.376,00
    +35,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    -0,0027 (-0,04%)
     

Yellen se diz 'confiante' que os EUA implementarão imposto mínimo global

·2 minuto de leitura
A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen (AFP/Nicholas Kamm)

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse neste domingo (10) que está confiante de que o Congresso adotará um imposto global mínimo de 15% sobre as multinacionais e mais uma vez saudou o acordo "histórico" alcançado entre 136 países.

"Espero que (esse texto) seja aprovado e que possamos garantir ao mundo que os Estados Unidos farão a sua parte", disse Yellen à ABC.

Os parlamentos de cada país devem agora ratificar o acordo global e adaptá-lo à sua legislação.

Os 136 países signatários, que representam 90% do PIB mundial, devem gerar cerca de 173,5 bilhões de dólares em receitas adicionais graças a esse imposto mínimo, que deve ser implementado globalmente a partir de 2023.

No entanto, algumas perguntas permanecem sem resposta, começando com a capacidade do governo Joe Biden de fazer com que a reforma seja adotada pelo Senado e pela Câmara dos Representantes.

“Estou convencida de que o que tivermos de fazer para cumprir o imposto mínimo será incluído no processo de reconciliação”, disse Janet Yellen, referindo-se a uma técnica parlamentar que permite a aprovação de legislação orçamental por maioria simples.

Os democratas querem usá-la para adotar a gigantesca reforma social de Biden, inicialmente fixada em US$ 3,5 trilhões, e que inclui aumentos de impostos para as maiores empresas e os americanos mais ricos.

O procedimento de "reconciliação" permitiria aos democratas, que detêm uma estreita maioria no Legislativo, dispensar os votos da oposição republicana.

Mas a maioria é tão pequena no Senado que o partido no poder não pode se dar ao luxo das crescentes divisões internas.

Dois senadores democratas consideram alto o valor dessas despesas, destinadas a reformar em profundidade o tecido social americano e combater as mudanças climáticas.

As receitas adicionais geradas pelo imposto sobre as multinacionais devem permitir o financiamento parcial deste plano.

jul/cjc/dg/yow/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos