Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,90 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,75 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +11,40 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    19.345,18
    +45,62 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,11 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,38 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    -0,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5563
    +0,0507 (+0,92%)
     

Yellen pede que EUA e aliados europeus enfrentem China juntos

Janet Yellen, secretária do Tesouro dos EUA

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, intensificou suas críticas às práticas econômicas e comerciais da China nesta terça-feira e pediu que os EUA e seus aliados da Europa se unam para desafiar Pequim e diversificar as cadeias de suprimentos.

"Temos um interesse comum em incentivar a China a se abster de práticas econômicas que nos desfavorecem", disse Yellen em discurso no Fórum Econômico de Bruxelas.

Ela se referia às práticas chinesas de comércio e investimento, desenvolvimento e políticas climáticas e práticas de financiamento que deixaram alguns países com encargos de dívida insustentáveis.

"Todos nós devemos aspirar a encorajar a China a abandonar práticas repreensíveis", afirmou Yellen. "Se pudermos fazer isso, teremos mais chances de competir com a China em igualdade de condições, o que beneficiará nossos negócios e consumidores."

Yellen alertou que os países ocidentais são muito dependentes da China para obter metais de terras raras e que Pequim atualmente constrói fortes participações de mercado em certos produtos de tecnologia e busca dominar a produção de semicondutores.

Ela disse que esses desdobramentos podem tornar as economias democráticas de mercado mais vulneráveis ​​à influência geopolítica de Pequim, mas é possível diminuir esses riscos com mais "friend-shoring" --esforço para tentar trabalhar com aliados e países amigos para aumentar a produção de produtos críticos e depois expandir o comércio entre si.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos