Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    54.697,81
    -7.584,73 (-12,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Yduqs aposta em medicina para atenuar efeito da pandemia

Patricia Lara
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A empresa brasileira de educação Yduqs Participações está apostando em seus cursos superiores de medicina e faculdades premium para compensar o impacto da pandemia.

“É fato que veremos um declínio nas captações no presencial durante o primeiro semestre”, disse o CEO Eduardo Parente em uma entrevista. “E certamente não será uma queda de um dígito.”

O Brasil vive atualmente sua pior fase do pandemia, levando as autoridades locais a impor algumas das medidas mais duras até agora. Casos e mortes aumentaram após os encontros de fim de ano e festividades clandestinas de carnaval, enquanto uma nova variante, mais transmissível, acelera contágio. Esta semana, um estudo da Fundação Oswaldo Cruz disse que o país enfrenta o maior colapso sanitário e hospitalar de sua história. Os casos diários superaram os 75.000, e as mortes ficaram acima de 2.000 durante vários dias na semana passada.

Centro financeiro do Brasil decreta feriado de uma semana para conter o contágio

A empresa sediada no Rio de Janeiro postou um prejuízo líquido de R$ 102,6 milhões (US$ 19 milhões) no quarto trimestre, frustrando estimativas de lucro de R$ 60,7 milhões. A Yduqs viu mais alunos desistindo do sonho da educação superior no segundo semestre de 2020 por causa da crise sanitária e econômica, e Parente disse que descontos obrigatórios nas mensalidades aumentaram a pressão sobre os números. Essa tendência deve diminuir este ano, acrescentou.

A crise da Covid teve “impacto zero” nos cursos mais caros da empresa, que incluem medicina e os da faculdade do Ibmec, que tem unidades em algumas das principais capitais do país. A Yduqs teve um crescimento de 34% no número de alunos em seus cursos de medicina, que custam R$ 8.700 por mês em mensalidades - cerca de oito vezes o salário mínimo do Brasil.

A empresa planeja adicionar mais 250 vagas em Medicina em meio à forte demanda, disse Parente. Ele descartou fazer isso por meio de aquisições, dizendo que o foco está no crescimento orgânico, já que o custo por assento dos negócios envolvendo cursos de medicina está muito alto.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.