Mercado abrirá em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,36
    +3,21 (+4,71%)
     
  • OURO

    1.800,20
    +12,10 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    57.265,54
    +2.865,74 (+5,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.430,78
    -24,63 (-1,69%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.102,97
    +58,94 (+0,84%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.192,25
    +141,25 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2887
    -0,0598 (-0,94%)
     

Yahoo fala em ambiente "desafiador" e encerra operações na China

·1 min de leitura

Por Josh Horwitz e Brenda Goh

XANGAI (Reuters) - O Yahoo afirmou que deixou de permitir o acesso aos seus serviços na China continental "em reconhecimento ao ambiente jurídico e de negócios cada vez mais desafiador" e se tornou a segunda marca ocidental de tecnologia a deixar o país nas últimas semanas.

A empresa parou de fornecer conteúdo para usuários da China continental a partir do dia 1º de novembro, de acordo com um comunicado publicado em seu site, que direcionava usuários dos emails do Yahoo e da AOL a outros links. A mídia chinesa noticiou a decisão do Yahoo nesta terça-feira.

"Em reconhecimento ao ambiente jurídico e de negócios cada vez mais desafiador na China, o conjunto de serviços do Yahoo não estará mais acessível na China continental a partir do dia 1º de novembro", disse um porta-voz do Yahoo por e-mail à Reuters nesta terça-feira.

"O Yahoo continua comprometido com os direitos dos nossos usuários e com uma internet livre e aberta. Agradecemos aos nossos usuários por seu apoio."

A ação do Yahoo segue a da Microsoft, que encerrou a operação do LinkedIn na China no mês passado, marcando a saída da última grande rede social de propriedade dos EUA na China. O LinkedIn citou um "ambiente operacional mais desafiador e de maiores exigências regulatórias na China".

O Yahoo já havia reduzido muito sua presença na China nos últimos anos. Antes da segunda-feira, ainda operava um aplicativo de previsão do tempo e algumas páginas que mostravam notícias em línguas estrangeiras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos