Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.390,03
    +92,41 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

XP vê 3% de risco de racionamento de energia no Brasil nos próximos 12 meses

·2 minuto de leitura
Reservatório de hidrelétrica

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Com uma matriz energética brasileira mais diversificada e um sistema de transmissão mais robusto, o país vive hoje um cenário diferente do sofrido há 20 anos, e o risco de racionamento de energia nos próximos 12 meses é de apenas 3%, disseram analistas da XP Investimentos em relatório nesta sexta-feira.

O governo tem adotado diversas medidas para garantir o abastecimento de energia do Brasil, diante de uma grave crise hídrica nos reservatórios das hidrelétricas do país, principais responsáveis pela geração elétrica. Até então, o governo vem descartando hipóteses de racionamento.

Na véspera, a câmara criada pelo governo para buscar medidas de garantia do suprimento chamada Creg teve sua primeira reunião, onde foram estabelecidas suas regras de funcionamento, além de nivelar o conhecimento dos participantes.

"Embora estimemos que os reservatórios atinjam níveis historicamente baixos (18% em novembro/2021 para o SIN consolidado), há capacidade térmica suficiente para ser utilizada e evitar medidas mais dramáticas, disseram os analistas da XP Victor Burke e Maíra Maldonado.

"O modelo não encontra uma solução se a energia natural afluente (ENA) média para os próximos doze meses ficar abaixo de 50% da média de longo prazo (MLT), só então o racionamento de energia seria deflagrado. De acordo com nossas estimativas, a probabilidade de a ENA ficar abaixo de 50% (e portanto de termos racionamento) é de 3%."

Dessa forma, os analistas frisaram ver como "muito improvável um racionamento de energia para os próximos 12 meses". Segundo eles, o Sistema Interligado Nacional (SIN) tornou-se mais preparado para lidar com cenários de estresse do que em 2001, quando foi necessário um racionamento.

O sistema de transmissão, pontuou a XP, cresceu 136% enquanto a demanda avançou apenas 93%, reduzindo as restrições no sistema e permitindo mais flexibilidade ao seu operador (ONS). Além disso, há 20 anos, 83% da capacidade instalada era proveniente de fontes hídricas, hoje apenas 65% da matriz energética provém de hidrelétricas, graças à adição de fontes térmicas, eólicas e solares ao sistema.

(Por Marta Nogueira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos