Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.200,68
    +660,88 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.330,00
    +647,81 (+1,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,19
    +1,44 (+2,41%)
     
  • OURO

    1.714,60
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    51.069,97
    +3.380,90 (+7,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.022,50
    +34,40 (+3,48%)
     
  • S&P500

    3.842,75
    -27,54 (-0,71%)
     
  • DOW JONES

    31.459,17
    +67,65 (+0,22%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.763,25
    -292,00 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8223
    -0,0398 (-0,58%)
     

XP passa a ver inflação este ano acima do centro da meta

·2 minuto de leitura
Supermercado no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - A XP elevou sua projeção para a inflação este ano diante da depreciação do real e do aumento dos preços das commodities, passando a ver a alta do IPCA acima do centro da meta oficial.

De acordo com relatório, a XP agora calcula a alta do IPCA em 3,9% em 2021, de 3,5% antes, acima do centro da meta do governo de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Segundo a XP, o ajuste se deve principalmente a uma revisão nas projeções para os grupos alimentação no domicílio (de 3,6% para 5,0%), serviços (de 2,1% para 2,3%), semiduráveis (de 3,5% para 3,8%) e duráveis (de 3,7% para 4,0%).

"O arrefecimento (da inflação) que esperávamos para o início do ano foi revertido pela taxa de câmbio depreciada e pela alta adicional dos preços das commodities. Este choque soma-se às pressões em bens de consumo duráveis e semi-duráveis observadas desde o ano passado, resultado da alta dos custos de produção e do descompasso entre oferta e demanda no setor", explicou a XP.

O relatório destaca ainda que a indicação de que o auxílio emergencial será renovado suaviza a esperada desaceleração da demanda agregada no primeiro semestre, reduzindo também seu efeito desinflacionário.

A XP destacou que os indicadores de demanda mostram desaceleração desde o fim do ano passado e que o cenário não deve melhorar no início de 2021, ressaltando a queda na confiança do consumidor e do empresário e a interrupção no pagamento do auxílio emergencial, ainda que ele seja restabelecido.

Diante disso, a expectativa é de queda de 4,4% do Produto Interno Bruto em 2020, passando a uma recuperação de 3,4% em 2021 e de 2,0% em 2022.

(Por Camila Moreira)