Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,16
    +0,40 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.795,60
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    61.444,65
    +308,99 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,43 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.585,43
    -219,42 (-0,76%)
     
  • NASDAQ

    15.322,25
    -18,75 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5800
    -0,0008 (-0,01%)
     

XP aumenta a 9,0% projeção para IPCA em 2021 e espera Selic terminal de 9,25%

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Com pressões inflacionárias tanto locais quanto internacionais, a XP aumentou a 9,0% sua estimativa para a alta dos preços ao consumidor em 2021, elevando também a conta para o patamar da taxa básica de juros ao fim do ciclo de aperto monetário do Banco Central.

A projeção anterior da XP era de avanço de 8,4% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano. Para 2022, a corretora também passou a esperar taxa mais alta, de 3,9%, contra 3,7% antes.

Segundo relatório divulgado nesta quarta-feira -- assinado por Caio Megale, economista-chefe da XP, e outros estrategistas, economistas e analistas -- a revisão na conta para este ano foi resultado de "combinação do choque de custos com a aceleração de preços de serviços devido à reabertura da economia."

E, para o ano que vem, a projeção só não é mais alta porque o Banco Central segue elevando os juros, disseram os especialistas, que esperam agora que a taxa Selic fique em 9,25% ao final do atual ciclo de aperto monetário. Antes, a expectativa era de Selic terminal de 8,50%.

"As projeções de inflação para o ano que vem seguem em alta, incorporando o prolongamento do choque global e local de custos e a inércia da inflação mais alta em 2021", explicaram.

A XP acredita num cenário em que o BC aceitaria inflação acima da meta em 2022, mirando sua convergência em 2023, evitando uma alternativa mais agressiva de intensificar o aperto monetário -- levando a Selic acima dos dois dígitos -- para trazer o IPCA para a meta já no ano que vem.

Com essa alternativa de "suavização", "a volatilidade do produto seria menor, evitando cortes de juros no segundo semestre de 2022, reta final da campanha eleitoral."

A XP manteve a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 5,3% este ano e 1,3% no ano que vem, mas citou riscos assimétricos para baixo.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos