Mercado abrirá em 2 h 44 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,48
    +0,12 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.842,10
    +12,20 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    37.282,51
    +840,77 (+2,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    734,81
    -0,33 (-0,05%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.729,79
    +9,14 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.918,00
    +115,75 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4102
    +0,0149 (+0,23%)
     

XP anuncia oferta pública de US$1,3 bi em ações

·1 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - A XP anunciou nesta segunda-feira oferta de ações, incluindo papéis da empresa detidos pelo Itaú Unibanco, no valor de até 1,3 bilhão de dólares, incluindo lote adicional.

A oferta consiste de 27.567.485 ações ordinárias classe A da XP, das quais 20,4 milhões são detidas pelo Itaú Unibanco. Um lote adicional de até 4,1 milhões de papéis, a ser oferecido por Itaú e XP, também fará parte da operação.

As ações da XP encerraram o dia cotadas a 41,01 dólares em Nova York.

Na quinta-feira, o conselho do Itaú aprovou cisão de participação de 41,05% que possui na XP para uma nova empresa, com possibilidade de venda da parcela restante de 5% que mantém no grupo de investimentos.

A oferta anunciada nesta segunda-feira é coordenada por XP Investimentos, Itaú BBA, Morgan Stanley e JPMorgan.

Segundo o prospecto da XP, a companhia estima levantar 290,4 milhões de dólares com a oferta após descontos e comissões. A empresa pretende usar os recursos para desenvolver novos produtos, "como o recém lançado cartão de crédito e conta digital".

Os recursos também serão usados para acelerar o crescimento da base de clientes e financiar futuras aquisições, apesar da companhia afirmar que "não tem qualquer plano atual" de compra de ativos.

(Por Alberto Alerigi Jr.)