Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.057,22
    -1.202,27 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.202,80
    -376,30 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,91
    -1,24 (-1,72%)
     
  • OURO

    1.771,60
    -89,80 (-4,82%)
     
  • BTC-USD

    37.785,42
    -926,24 (-2,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    937,48
    -32,40 (-3,34%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.153,43
    -31,52 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.558,59
    +121,75 (+0,43%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    14.189,50
    +208,25 (+1,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9682
    -0,0938 (-1,55%)
     

Xiaomi confirma que carregamento de 200 W deteriora bateria mais rapidamente

·3 minuto de leitura

Entre as diversas inovações que as fabricantes de smartphones têm trabalhado nos últimos anos, o aumento na velocidade de carregamento é uma delas. Com a tecnologia de recarga rápida, as companhias podem utilizar baterias mais modestas, entre 4.000 mAh e 5.000 mAh, compensando eventual autonomia reduzida com menos tempo na tomada.

Topos de linha como o OnePlus 9 Pro já oferecem recarga de 65 W, e as empresas, incluindo a Qualcomm, trabalham para oferecer potências ainda mais altas, acima dos 100 W. No entanto, a maior potência pode resultar em uma vida útil menor para a bateria, em virtude do fluxo mais intenso de energia e do maior aquecimento.

Essa preocupação voltou às notícias quando a Xiaomi anunciou no final de maio nova solução de carregamento rápido de 200 W, chamada pela empresa de HyperCharge. Em uma sessão de perguntas e respostas na rede social chinesa Weibo, a gigante chinesa confirmou o que muitos temiam.

HyperCharge de 200 W degrada a bateria mais rapidamente

Uma das perguntas feitas à companhia questiona se o sistema HyperCharge de 200 W, além da versão sem fio de 120 W, é seguro, e se o recurso afeta a saúde da bateria. A fabricante preparou algumas imagens que explicam o desenvolvimento da tecnologia e respondem a essas e outras perguntas. De acordo com o material, o HyperCharge realmente degrada a bateria mais rápido do que potências menores.

A Xiaomi confirmou que, após 800 ciclos de recarga com o HyperCharge de 200 W, a bateria deve reter apenas 80% da capacidade original (Imagem: Reprodução/Gizchina)
A Xiaomi confirmou que, após 800 ciclos de recarga com o HyperCharge de 200 W, a bateria deve reter apenas 80% da capacidade original (Imagem: Reprodução/Gizchina)

A companhia afirma que após 800 ciclos de recarga, a célula do telefone deve manter pouco mais de 80% da capacidade original, o que, na prática, significaria que um celular com 5.000 mAh reteria 4.000 mAh após os 800 ciclos, por exemplo.

O número preocupa, mas mostra certa evolução quando comparado a algumas soluções rivais, como o sistema de 125 W da OPPO, que promete o mesmo nível de degradação com potência menor.

Segurança e resfriamento foram considerados

Ainda segundo a Xiaomi, o HyperCharge integra mais de 40 medidas de segurança, incluindo gerenciamento de corrente e voltagem, e segue os padrões internacionais, devendo estar disponível em ao menos 33 países. A empresa também considerou as altas temperaturas geradas pela função, e diz ter implementado diferentes protocolos para manter o calor sob controle.

Além de uma grande folha de grafite que recobre mais de 60% do celular, são utilizados três componentes que gerenciam a recarga, com parte deles na placa-mãe, enquanto outra parte é usada na placa secundária, na base do aparelho. A Xiaomi garante ainda que cada componente tem eficiência acima dos 98%, a maior do mercado, nas palavras da fabricante.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O sistema HyperCharge impressionou por prometer entregar 100% de recarga de uma bateria de 4.000 mAh em apenas 8 minutos. Há uma versão sem fio, de 120 W, que promete recuperar a carga por completo em 15 minutos. Ambas as tecnologias ainda não possuem prazo para chegar aos consumidores e, considerando os desafios que a Xiaomi ainda deve enfrentar para torná-las mais eficientes, não devem estrear tão cedo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos