Mercado abrirá em 25 mins
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,49
    +1,05 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.777,70
    +12,00 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    62.208,48
    +822,24 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.452,72
    +1,09 (+0,07%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.209,79
    +5,96 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.356,00
    +65,50 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4181
    +0,0266 (+0,42%)
     

Xiaomi 11T Pro é flagrado limitando desempenho em apps populares

·3 minuto de leitura

Inaugurando uma era em que abandonará o uso da marca "Mi", a Xiaomi anunciou no último dia 15 a família Xiaomi 11T, versões refinadas do principal topo de linha da companhia. Além de processamento robusto, que inclui os chips Qualcomm Snapdragon 888 e MediaTek Dimensity 1200, os aparelhos se destacam pelo áudio estéreo otimizado pela Harman Kardon, câmeras de 108 MP e potente carregamento rápido de até 120 W.

Infelizmente, apesar das especificações promissoras, ambos os modelos, em especial o 11T Pro, apresentam um comportamento desagradável — como descobriu o site AnandTech, o aparelho limita o poder de processamento do Snapdragon 888, enquanto deixa a GPU do chipset trabalhar em velocidade máxima por mais tempo que o devido. Na prática, a experiência de uso do telefone é inferior ao que promete ser.

Xiaomi reduz desempenho do 11T Pro em apps comuns

Avaliando o desempenho dos aparelhos, o portal descobriu que a Xiaomi configurou o 11T Pro, equipado com Snapdragon 888, para limitar o uso da CPU em aplicações que requeiram maior desempenho. O aparelho impede que o núcleo Cortex-X1 de máxima performance seja utilizado — a maioria das tarefas é realizada apenas pelo conjunto de núcleos Cortex-A78 de alto desempenho.

Mesmo apps que tenham acesso ao Cortex-X1, como o Geekbench, são limitados a clocks de apenas 2,15 GHz, número bem abaixo dos 2,84 GHz disponíveis para o núcleo. A ideia não seria exatamente enganar benchmarks para elevar a performance apenas nesses cenários, especialmente levando em conta os resultados abaixo do esperado, mas sim impedir o sobreaquecimento e prolongar a autonomia de bateria no uso comum.

O Xiaomi 11T e 11T Pro limitam o acesso e a velocidade dos núcleos de máximo desempenho em tarefas que exijam mais do processador (Imagem: Reprodução/AnandTech)
O Xiaomi 11T e 11T Pro limitam o acesso e a velocidade dos núcleos de máximo desempenho em tarefas que exijam mais do processador (Imagem: Reprodução/AnandTech)

O Xiaomi 11T, equipado com Dimensity 1200, também é afetado por uma configuração agressiva, ainda que menos prejudicial que a adotada na variante com Snapdragon — as tarefas mais intensas não são mantidas de maneira consistente no núcleo mais potente do chip, e há picos indevidos na frequência dos núcleos mais básicos, afetando o desempenho.

Curiosamente, os dois aparelhos sofrem com problemas na GPU, que se comporta de maneira contrária: o chip gráfico não é limitado e as temperaturas podem subir a níveis elevados demais. Nos testes, o Xiaomi 11T Pro, com Snapdragon, chegou a mostrar um aviso de sobreaquecimento, enquanto o Xiaomi 11T atingiu os 47 ℃, ainda que não tenha emitido qualquer alerta.

A GPU, por outro lado, não sofre nenhuma limitação e acaba gerando o superaquecimento dos aparelhos (Imagem: Reprodução/AnandTech)
A GPU, por outro lado, não sofre nenhuma limitação e acaba gerando o superaquecimento dos aparelhos (Imagem: Reprodução/AnandTech)

Diante dos resultados, o AnandTech conclui que ambos os celulares são velozes, com vantagem para o 11T Pro por oferecer fluidez superior, mas são escolhas difíceis a se fazer considerando as fortes limitações de desempenho e o preço, especialmente quando modelos mais completos da própria Xiaomi são vendidos por valores próximos.

OnePlus agiu de maneira similar com a linha OnePlus 9

Vale lembrar que a Xiaomi não foi a primeira a adotar a estratégia de limitar o funcionamento do chipset para preservar o telefone. Como descoberto pelo próprio AnandTech, a OnePlus agiu de maneira semelhante com a família OnePlus 9 — ao detectar que o usuário acessava apps comuns de uma lista de mais de 300, como Facebook e Google Chrome, o software limitava o acesso ao núcleo Cortex-X1, para prolongar a autonomia e evitar o aquecimento.

A família OnePlus 9 apresentou comportamento semelhante nos testes do AnandTech, impedindo o uso do núcleo Cortex-X1(Imagem: Divulgação/OnePlus)
A família OnePlus 9 apresentou comportamento semelhante nos testes do AnandTech, impedindo o uso do núcleo Cortex-X1(Imagem: Divulgação/OnePlus)

A medida gerou polêmica entre os consumidores, o que forçou a OnePlus a admitir a prática em uma nota enviada ao portal XDA Developers. Ainda assim, a empresa defendeu a decisão, reforçando se tratar de uma solução pensada para preservar a bateria e a temperatura dos aparelhos, aplicada mediante "feedback dos usuários".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos