Mercado fechará em 2 h 40 min
  • BOVESPA

    130.342,07
    +901,04 (+0,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.253,64
    -32,82 (-0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,10
    +0,19 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.865,80
    -13,80 (-0,73%)
     
  • BTC-USD

    40.011,59
    +2.938,49 (+7,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.000,29
    +31,45 (+3,25%)
     
  • S&P500

    4.235,43
    -12,01 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.233,80
    -245,80 (-0,71%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.055,00
    +60,75 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1371
    -0,0555 (-0,90%)
     

Xiaomi é oficialmente removida de lista de restrições dos EUA

·2 minuto de leitura

O governo dos EUA pegou muitos usuários de surpresa quando anunciou em janeiro deste ano que havia adicionado a Xiaomi à lista de restrições do Departamento de Defesa (DoD), identificando a fabricante como uma "Companhia Militar Comunista Chinesa" (CCMC). A condição impediria a gigante de negociar com parcerios estratégicos norte-americanos, como Qualcomm e Intel.

Relatórios divulgados chegaram a sugerir que o motivo para a medida, realizada ainda durante o mandato de Donald Trump, seria resultado de um prêmio concedido pelo governo chinês à empresa, condecorando o CEO da Xiaomi, Lei Jun, com a premiação "Grande Construtor do Socialismo com Características Chinesas" (em tradução livre).

A fabricante não aceitou a situação e entrou na Justiça para reverter o quadro, obtendo vitória em meados de março. Agora, a empresa divulgou um novo comunicado oficializando sua remoção da lista de restrições.

Xiaomi é removida da lista de restrições dos EUA

Em comunicado emitido no blog e no perfil oficial no Twitter da Xiaomi, a empresa revela que o Tribunal do Distrito de Colúmbia, na capital dos EUA, emitiu a última notificação que oficializa a retirada da fabricante da lista de restrições do país norte-americano. Essa é a mesma corte responsável pela decisão que liberou a companhia em março.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Na mensagem, a Xiaomi também agradece usuários, parceiros e investidores pelo suporte fornecido nos últimos meses, e reforça se tratar de uma companhia aberta, com ações nas bolsas de valores, e operada de maneira independente. A organização se comprometeu ainda a seguir fornecendo itens e serviços sólidos aos consumidores, e fabricar produtos inovadores e com "preços justos".

Chinesas se movimentam para contornar sanções

Enquanto a Xiaomi comemora uma vitória, a Huawei segue prejudicada pelas sanções aplicadas pelos EUA. Mesmo após a entrada de Joe Biden na presidência do país, a gigante chinesa foi mantida na lista de restrições, ainda acusada de espionagem em favor do governo chinês. Sem esperanças de retomar os negócios com empresas norte-americanas, a fabricante tem se movimentado rumo à independência tecnológica.

Substituto do Android após sanções dos EUA, o HarmonyOS fará sua estreia na próxima semana, em 2 de junho (Imagem: Divulgação/Huawei)
Substituto do Android após sanções dos EUA, o HarmonyOS fará sua estreia na próxima semana, em 2 de junho (Imagem: Divulgação/Huawei)

Além de negociar e investir com fundições chinesas para fabricação de chips e componentes, a Huawei também trabalha em um sistema operacional proprietário, o HarmonyOS, previsto para chegar oficialmente aos consumidores já na próxima quarta-feira, 2 de junho. Ao que se sabe, outras fabricantes chinesas, incluindo a própria Xiaomi, estariam em negociações para ter o software da Huawei como uma saída para eventuais restrições dos EUA.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: