Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.370,03
    +1.782,50 (+3,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Xiaomi é liberada de lista de restrições dos EUA após decisão judicial

Renan da Silva Dores
·2 minuto de leitura

Em nota emitida através do Twitter neste domingo (14), a Xiaomi confirmou que será retirada da lista de restrições do Departamento de Defesa (DoD) dos EUA. A conquista foi obtida depois de a fabricante chinesa ter entrado na Justiça para tentar reverter a situação. A decisão foi decretada pelo juiz Rudolph Contreras, que afirmou que as restrições causariam "dano irreparável" à companhia, sendo sua adição à lista do DoD uma medida "arbitrária e caprichosa".

Em documentação enviada à corte, a Xiaomi afirmou que poderia sofrer "dano extremo e irreversível" ao seu negócio e à sua reputação caso as restrições fossem de fato aplicadas, considerando que atua "de acordo com as leis relevantes e regulações das jurisdições nos locais em que opera seus negócios". Ao The Verge, a fabricante reforçou em entrevista publicada em janeiro que "não é propriedade, controlada ou afiliada com os militares chineses, não sendo uma 'Companhia Militar Comunista Chinesa'", como afirmava o governo norte-americano.

Ainda de acordo com a sentença do magistrado, o argumento da administração de Donald Trump de que "companhias civis chinesas" como a Xiaomi são "ameaças diretas à pátria dos EUA" é questionável. Contreras escreve que a corte está um tanto cética de que "interesses de segurança nacional de peso estão de fato implicadas aqui".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

No comunicado desta segunda (15), a Xiaomi reitera ser uma companhia com investimentos públicos operada com independência que oferece produtos eletrônicos de uso exclusivo dos civis. A fabricante garantiu ainda que seguirá lutando na Justiça para que a decisão desta semana seja aplicada de maneira permanente.

Entenda a situação

Em janeiro deste ano, durante a transição entre os mandatos de Donald Trump e Joe Biden, o Departamento de Defesa dos EUA decretou sem justificativas a adição da Xiaomi à lista de restrições comerciais do país. A fabricante foi considerada uma "Communist Chinese Military Company" (CCMC), ou Companhia Militar Comunista Chinesa, em tradução livre.

Segundo fontes do Wall Street Journal, a Xiaomi sofreu restrições por ganhar um prêmio do governo chinês (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Segundo fontes do Wall Street Journal, a Xiaomi sofreu restrições por ganhar um prêmio do governo chinês (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Dentro desta categoria, a gigante dos eletrônicos correria riscos de sofrer intensas sanções econômicas similares às aplicadas à Huawei, incluindo impedimentos para negociações com empresas norte-americanas. A situação ganhou um novo capítulo na semana passada, quando o periódico norte-americano The Wall Street Journal publicou uma reportagem que indicava que a decisão do DoD estaria relacionada com um prêmio concedido pelo governo chinês ao CEO da Xiaomi, Lei Jun.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: