Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,33
    -0,16 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.869,50
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    42.661,64
    -260,75 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.206,81
    -46,33 (-3,70%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.218,25
    +6,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4299
    -0,0002 (-0,00%)
     

Xi Jinping se opõe ao imposto europeu sobre carbono em cúpula com Macron e Merkel

·2 minuto de leitura
O presidente da China, Xi Jinping

O presidente chinês, Xi Jinping, expressou nesta sexta-feira (16) sua oposição ao imposto europeu sobre o carbono durante uma reunião virtual com seu homólogo francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, na qual denunciou as "barreiras comerciais" construídas com o pretexto das mudanças climáticas.

"A resposta às mudanças climáticas é a causa comum da humanidade (...) Mas não pode se tornar uma questão política, alvo de ataques de outros países ou pretexto para construir barreiras comerciais", disse Xi Jinping, segundo um relatório do encontro realizado pelo canal estatal chinês CCTV.

O líder do gigante asiático se reuniu com o presidente francês e a chanceler alemã por videoconferência para tratar de questões climáticas e de saúde, poucos dias antes de uma série de cúpulas internacionais.

A primeira delas será a cúpula virtual sobre o clima promovida pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, cuja celebração está marcada para 22 e 23 de abril e na qual não se sabe se Xi Jinping participará.

O Parlamento Europeu aprovou em março uma resolução para criar um imposto sobre o carbono nas fronteiras da União Europeia, uma medida que penalizaria as importações (de eletricidade, cimento, aço, alumínio, etc.) de países não europeus.

A Comissão Europeia deve propor antes de junho uma taxa semelhante, cuja entrada em vigor está prevista para 2023.

Apesar de criticar o imposto europeu sobre o carbono, Xi Jinping defendeu as promessas climáticas da China, que começará a reduzir as emissões de CO2 "antes de 2030" e espera alcançar a "neutralidade do carbono" em 2060.

A presidência francesa indicou que os dois dirigentes europeus disseram ao presidente chinês que esperam que o gigante asiático "adote objetivos mais ambiciosos" no que diz respeito à redução das emissões de CO2.

"Merkel insistiu na relação econômica Europa-China, na qual esperamos condições de reciprocidade e competição menos desigual", acrescentou.

A cúpula entre Macron, Merkel e Xi Jinping coincidiu com a visita esta semana à China do enviado climático dos EUA, John Kerry.

ehl-leb/ib/sr/eb/mis/mr