Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.088,49
    -641,99 (-1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

X-57: avião elétrico da NASA funciona pela primeira vez; veja como foi

·2 minuto de leitura

Não é somente a Embraer que trabalha em um avião elétrico. A NASA também desenvolve seu próprio projeto de aeronave zero emissão, o X-57 Maxwell, um turboélice de pequeno porte pensado para deslocamentos curtos e com boa capacidade de carga. A agência espacial dos EUA, aliás, faz os últimos testes e colocou seu protótipo para funcionar e aferir os limites de voltagem de alguns dos rotores.

Para realizar esses testes, a NASA espetou o avião em uma fonte de alimentação auxiliar, sem utilizar, de fato, seus motores elétricos. Nesse exercício, a aeronave começou a funcionar e a girar suas hélices, responsáveis não apenas pelo cruzeiro do avião, mas também por gerar energia para demais funções do veículo. O diferencial, porém, é que a agência colocou os motores para atingir a potência máxima e ver o quanto a estrutura aguentava.

O X-57 promete ser um avanço de engenharia e um exemplo de sustentabilidade. Além de ser uma aeronave zero emissão, ela é feita de materiais como fibra de carbono e outros compostos que ajudam na economia de energia. Segundo documentos da NASA, quando pronto, o avião poderá voar a uma velocidade de cruzeiro de 619,2 km/h, com teto operacional de 4.267 metros.

O projeto final prevê que o X-57 terá 12 rotores pequenos e dois grandes nas pontas, totalizando 14 hélices. Para alimentar tudo isso, ele será equipado com uma bateria de íon-lítio de 362,8kgs e capacidade de 69,1 kWh. A autonomia real será de quase uma hora e meia de voo.

Após os testes a NASA espera conseguir a certificação da aeronave junto aos órgãos reguladores. A ideia é que a agência compartilhe o projeto com diversas fabricantes para disseminar a tecnologia da aviação limpa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos