Mercado fechado

WWDC 2020 | Navegador Safari recebe controles de privacidade aprimorados

Rubens Eishima

Em meio à série de anúncios feitos durante a abertura da WWDC, a Apple listou novidades que podem ter passado despercebidas. Uma delas foram as atualizações do navegador Safari que, segundo a empresa, recebeu a maior atualização desde o seu lançamento, em 2003. Além das vantagens de velocidade e do visual repaginado, a nova versão do navegador tem como destaque a preocupação renovada com a privacidade do usuário.

O Safari oferecerá a opção de controlar em quais páginas as extensões serão habilitadas. Além disso, o programa contará com uma ferramenta de detecção de vazamento de senhas — algo que o Firefox possui desde 2018. Caso algum login armazenado no navegador esteja em uma das listas de contas de serviços hackeados, o Safari auxiliará o usuário a trocar de senha.

Segundo a Apple, a empresa não terá acesso às informações de quem usa o navegador. O próprio programa cruzará características da senha com uma lista atualizada de contas vazadas, usando técnicas de criptografia.

Quem vai rastrear os rastreadores? (imagem: Apple)

Privacidade à vista

A novidade mais visível para quem utiliza o Safari, no entanto, é o novo "Relatório de Privacidade" do navegador. O recurso mostrará na barra superior do programa um ícone que, ao ser clicado, exibe serviços de rastreamento bloqueados pelo app na página aberta.

Além de listar o rastreamento no site em primeiro plano, o serviço registra um histórico dos endereços que tentaram armazenar os dados do usuário, os rastreadores mais frequentes e quantos sites os utilizavam.

O novo recurso complementa o sistema já disponível no navegador, que utiliza um serviço de aprendizado de máquina/inteligência artificial para identificar sistemas de anúncio que rastreiam a navegação.

A ferramenta, segundo a Apple, desabilita o rastreamento de navegação entre diferentes páginas, incluindo os que estão integrados aos botões de curtida e compartilhamento de redes sociais. Um dos objetivos do recurso é acabar com a exibição de propagandas sobre um produto que o usuário acabou de pesquisar na internet.

A atualização do Safari será disponibilizada com o sistema macOS Big Sur, esperado para setembro. Outras novidades do sistema incluem mais opções de personalização para a página inicial, instalação de extensões a partir da App Store, prévia de abas, ferramenta de tradução integrada (uma novidade inspirada no Chrome?), carregamento de páginas mais rápido e menor consumo de energia.


Fonte: Canaltech