Mercado fechará em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    112.725,31
    +1.436,13 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.238,21
    +201,16 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,90
    -0,45 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.793,60
    -36,10 (-1,97%)
     
  • BTC-USD

    36.332,46
    -1.930,52 (-5,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    831,26
    +11,75 (+1,43%)
     
  • S&P500

    4.371,68
    +21,75 (+0,50%)
     
  • DOW JONES

    34.442,08
    +273,99 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.198,50
    +40,00 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0364
    -0,0700 (-1,15%)
     

World Gold Council vê cenário próspero para ouro no Brasil; critica ilegalidade

·4 min de leitura
Conselho global critica mineração ilegal

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O World Gold Council vê um cenário de prosperidade e crescimento da indústria de ouro no Brasil, enquanto reforça a importância da exploração do mineral de forma responsável e legítima, em momento em que o país ganhou manchetes internacionais com imagens do rio Madeira, no Amazonas, ocupado por centenas de balsas de extração ilegal.

No ano passado, as empresas que fazem parte da organização internacional de desenvolvimento de mercado para a indústria do ouro produziram mais de 1,5 milhão de onças do metal precioso no Brasil, segundo relatório publicado nesta terça-feira, que apontou ainda benefícios diretos e indiretos na economia.

"(Os membros do WGC) operam algumas das principais minas de ouro de grande escala no país, e levam muito a sério suas responsabilidades de ESG (sigla em inglês para boas práticas ambientais, sociais e de governança)", disse em entrevista por email o diretor financeiro e chefe de iniciativas ESG do WGC, Terry Heymann.

As empresas do WGC pagaram ainda coletivamente 1,06 bilhão de dólares a fornecedores locais, alimentando atividades econômicas fora de suas operações diretas, pontuou a organização no relatório.

O WGC tem atualmente cinco membros operando no Brasil: AngloGold Ashanti, Aura Mining, Equinox Gold, Kinross Gold e Yamana Gold. "Nossos membros representam uma grande parte da mineração de grande escala no Brasil e, graças às medidas que têm adotado para a mineração responsável, tenho a esperança de que o mercado continuará se desenvolvendo e trazendo benefícios para as economias e comunidades locais do Brasil", afirmou Heymann.

O conselho não divulgou valores de 2021.

O executivo ressaltou que o WGC e seus membros apoiam a mineração responsável e o comércio do ouro procedente de todas as fontes legítimas, incluindo a mineração artesanal e de pequena escala (Mape), frisou.

"Nos últimos 20 anos, houve um crescimento significativo da mineração artesanal e de pequena escala em muitos países em desenvolvimento. Os assuntos relacionados com a Mape têm se tornado mais relevantes nos debates de políticas públicas como resultado da adoção de instrumentos destinados a impedir o financiamento de grupos armados ilegais e da implementação do Tratado Minamata para reduzir a presença de mercúrio no meio ambiente", afirmou.

Na semana passada, centenas de balsas de dragagem operadas ilegalmente por garimpeiros foram fotografadas no Madeira, importante afluente do rio Amazonas, navegando por vários quilômetros.

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou na ocasião que havia suspeitas de envolvimento do tráfico de drogas com as atividades dos garimpeiros ilegais. Na sequência, autoridades fizeram uma operação de combate às práticas.

Heymann pontuou que, por causa do elevado preço do ouro em 2020, houve um crescimento das atividades de mineração ilegal.

"Embora apoiemos todos os métodos legítimos de mineração, rejeitamos a mineração ilegal, que é ruim para o meio ambiente e também não produz nenhum benefício para os trabalhadores nem para as comunidades", afirmou.

"Em todos os casos, é importante que os governos anfitriões considerem a melhor forma de garantir o modelo ideal para desenvolver um minério, para apoiar o desenvolvimento social e econômico sustentável para a nação e a comunidade local."

BENEFÍCIOS ECONÔMICOS

Segundo o relatório publicado nesta terça-feira, as companhias do WGC que operam no Brasil empregam diretamente 10 mil trabalhadores, com um salário médio anual de mais de 21.458 dólares --quase quatro vezes a média nacional.

A organização estima que as operações da indústria da mineração do ouro contribuem dando emprego ao triplo desse número de trabalhadores, os quais fazem parte de uma cadeia de suprimentos mais ampla.

A indústria pagou 353 milhões de dólares em impostos em 2020, afirmou.

A contribuição do valor agregado total das companhias membro do WGC equivale a 0,1% do PIB, e as contribuições em tributos dessas empresas representam 0,4% da receita tributária do país --números que poderiam crescer nos próximos anos, disse a organização.

"Estes números mostram o cenário de uma indústria de mineração do ouro próspera e crescente no Brasil, com significativas contribuições positivas para a economia em geral, em termos de criação de empregos bem remunerados para a população local, receita tributária e crescimento dos negócios em toda a cadeia de suprimentos", disse Heymann.

Segundo ele, quando empreendida de maneira responsável, a mineração do ouro pode contribuir significativamente para o desenvolvimento econômico e social de países e comunidades. "Tudo isso é o que observamos no Brasil neste momento", completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos