Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.366,43
    +2.254,82 (+5,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Windows 11 deve trazer suporte nativo a apps com interface gráfica Linux

·2 minuto de leitura

O suposto Windows 11 vazado antecipou que o suporte para aplicativos com interface gráfica Linux pode ser uma das suas principais capacidades nativas. O sistema operacional é equipado com o WDDM 3.0 (Windows Display Driver Model), um dos componentes necessários para experienciar aplicativos com interface gráfica de usuário (GUI) do sistema do pinguim através do Subsistema Windows para Linux (WSL).

Isso não é necessariamente uma surpresa, visto que a Microsoft anunciou a novidade durante a abertura da Build 2021. Na ocasião, a companhia mencionou que o recurso foi “amplamente distribuído entre os usuários”, sem mencionar, porém, que seria somente para integrantes do programa Windows Insider.

O suporte nativo dispensaria o uso de máquinas virtuais para tarefas mais simples (Imagem: Reprodução/Microsoft)
O suporte nativo dispensaria o uso de máquinas virtuais para tarefas mais simples (Imagem: Reprodução/Microsoft)

Considerando que a novidade foi implementada na versão de testes do Windows, eventualmente ela marcaria presença na versão estável do sistema operacional. A distribuição poderia acontecer direto na nova geração do SO da Microsoft, que substituiria a próxima grande atualização do Windows 10.

A presença do componente WDDM 3.0 permite que o subsistema Linux contido no Windows gerencie a VRAM de forma independente, com acesso direto ao hardware do computador e, naturalmente, proporcionando melhor performance para os programas.

O suporte aprimorado do Windows para aplicações originalmente desenvolvidas para o Kernel Linux é uma verdadeira mão na roda para desenvolvedores. Além de poupar o uso de uma máquina virtual para rodar os softwares, é bem provável que a solução da Microsoft melhore a experiência geral com aceleração de hardware, suporte para áudio e automatização no direcionamento de recursos da máquina.

Por ser uma tecnologia diretamente associada às placas de vídeo, será necessário também estar em dia com as atualizações de driver da GPU. No caso da Nvidia, o suporte ao WDDM 3.0 foi embarcado na compilação 471.11 WHQL, lançada na última terça-feira (22).

O Windows 11 que circula na internet não passa de um rumor, mas tudo será esclarecido na apresentação de amanhã (24), em que a Microsoft prometeu apresentar “a nova geração” do seu sistema operacional.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos