Mercado fechará em 4 h 52 min
  • BOVESPA

    123.942,13
    -1.733,20 (-1,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.085,07
    -549,53 (-1,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,52
    -0,10 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.826,10
    -9,70 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    38.936,14
    -1.037,12 (-2,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    923,57
    -26,33 (-2,77%)
     
  • S&P500

    4.400,29
    -18,86 (-0,43%)
     
  • DOW JONES

    34.997,17
    -87,36 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.035,43
    -42,99 (-0,61%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.946,00
    -91,75 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1011
    +0,0606 (+1,00%)
     

Windows 11 aumenta preço de chips TPM, mas não há motivo para alarde

·2 minuto de leitura

O preço de mais um componente de informática começou a subir vertiginosamente depois que a Microsoft anunciou a exigência de um módulo de segurança específico como requisito para instalar o Windows 11. O culpado da vez é o TPM (Trusted Platform Module), um chip de segurança que, curiosamente, é padrão em PCs desde 2016.

De acordo com uma publicação do chefe global de produtos hardware da HTC, Shen Ye, o preço de um chip TPM 2.0 da Gigabyte subiu de US$ 25 para US$ 100 em um período de apenas 12 horas. E segundo o site Tom’s Hardware, outras marcas também tiveram aumento de preço no módulo desde o anúncio da Microsoft sobre a necessidade da proteção extra para quem quiser atualizar o computador para o Windows 11.

“Microsoft, será que você poderia não impor a necessidade de um TPM em meio a uma escassez de silício?”, implorou o executivo. “Especialmente considerando que muitas placas-mãe de desktop só suportam o TPM como um acessório adquirível”, observou Ye.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Não se desespere (ainda)

É altamente recomendado manter a calma antes de sair correndo para procurar e garantir o seu TPM 2.0. Apesar de alguns modelos do chip terem esgotado e outros terem aumentado de preço em até quatro vezes o valor inicial, o componente não deve ficar em falta tão cedo.

Além de ter bons estoques, o módulo já vem embarcado em praticamente todos os computadores que rodam Windows desde 2016, como exigência da Microsoft para aumentar a segurança dos dispositivos. Infelizmente, algumas fabricantes o deixam inativo, e basta uma visita à BIOS para ativar e liberar a instalação do Windows 11.

A corrida pelo componente fica ainda mais inútil quando são analisados todos os requisitos para atualizar um computador para a nova versão do sistema operacional: apenas aqueles fabricados a partir de 2017, já com a oitava geração dos processadores Intel Core, ou AMD de 2ª geração, serão compatíveis, ao menos neste primeiro momento.

O problema é que essa busca, aparentemente injustificada, pode gerar uma falta de estoque mais para a frente, quando alguns usuários começarem a trocar computadores antigos por máquinas mais recentes justamente para rodar o Windows 11.

Por ora, apenas uma quantidade muito pequena de usuários realmente deve precisar ir atrás de um TPM, especialmente quem montou o próprio PC e não se atentou a esse detalhe. Veja o tutorial do Canaltech sobre como verificar se tem um módulo TPM ativo em seu computador.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos