Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.199,29
    +686,82 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Windows 10 está em 1,3 bilhão de PCs no mundo

Felipe Demartini
·3 minuto de leitura

A alta no mercado de computadores pessoais, causada pela adoção em massa do home office devido à pandemia, também trouxe bons ventos para Microsoft. Em relatório financeiro sobre o primeiro trimestre deste ano, a empresa comemorou a marca de 1,3 bilhão de usuários globais do Windows 10, com o sistema operacional batendo, mais uma vez, seu recorde histórico.

De acordo com os números divulgados, 300 milhões de pessoas passaram a utilizar o sistema operacional entre abril de 2020 e março de 2021, um número alavancado pela compra de notebooks e desktops para home office. Enquanto os computadores de trabalho ficaram nos escritórios, tanto empresas quanto usuários viram a necessidade de melhorar seus dispositivos domésticos, com os computadores tendo preferência sobre tablets e smartphones, que vinham movimentando o mercado de tecnologia no período pré-pandêmico.

Apesar dos números relacionados ao Windows 10, a empresa citou plataformas de nuvem, como Office 365 e Azure, como motivadores dos resultados, já que a maior parte das licenças do sistema operacional não é vendida diretamente, e acompanha os próprios computadores. No período, a plataforma teve um crescimento de 10% no faturamento.

Outra vedete dos resultados, como vem acontecendo nos últimos trimestres, foi o segmento Xbox, que teve alta de 34% nas vendas totais de conteúdos, dispositivos e serviços. Vale a pena lembrar que o primeiro trimestre de 2021 ainda sofre grande impacto do lançamento da nova geração de videogames, em novembro do ano passado, mas também das dificuldades de fabricação que levaram a um esgotamento de unidades, principalmente, do Xbox Series X em todo o mundo.

<em>Microsoft viu vendas de consoles mais do que triplicarem no primeiro trimestre de 2021; esgotamento de unidades, principalmente do Xbox Series X, impediram um resultado que poderia ser ainda maior (Imagem: Canaltech)</em>
Microsoft viu vendas de consoles mais do que triplicarem no primeiro trimestre de 2021; esgotamento de unidades, principalmente do Xbox Series X, impediram um resultado que poderia ser ainda maior (Imagem: Canaltech)

Ainda assim, os números mais do que agradaram aos executivos, com o setor apresentando um crescimento de 50% em relação ao mesmo período do ano passado. As vendas de hardware mais que triplicaram, com a Microsoft citando uma demanda que ultrapassou a oferta em muitas vezes, enquanto o engajamento e a monetização nas plataformas da empresa bateram recordes. Números específicos de vendas de consoles, entretanto, não foram divulgados.

Só positivos

O segmento de soluções cloud gerou, sozinho, um faturamento de US$ 17,7 bilhões, com aumento de 33% em relação ao primeiro trimestre de 2020, enquanto o de Produtividade e Negócios, onde está a suíte de aplicativos, registrou US$ 13,6 bilhões e um crescimento de 12%. Novamente, os dois resultados foram amplamente motivados pela adoção do home office.

Boas performances também na venda de produtos da linha Surface, que cresceu 12%, enquanto o faturamento do LinkedIn teve aumento de 25% e a família Dynamics de produtos e serviços de cloud computing ganhou 26% de faturamento. Outros resultados incluem saldos positivos em campos como pesquisa e publicidade (17% de alta) e Intelligent Cloud, que ganhou 23%.

De maneira geral, os números apresentados colocam a companhia em um bom caminho para superar em muito as expectativas dos analistas ao fechamento do atual ano fiscal, que para a Microsoft se encerra em junho. No primeiro trimestre de 2021, a companhia registrou um faturamento de US$ 41,7 bilhões e lucros de US$ 15,5 bilhões, 44% acima do que foi computado no mesmo período do ano passado.

A Microsoft não espera que os movimentos de alta sejam reduzidos no futuro próximo, enxergando uma adoção digital de ferramentas online e uma transformação de dinâmicas de trabalho e lazer que, ainda sob a pandemia, devem continuar acelerando os resultados. Para Satya Nadella, CEO da empresa, os dados apresentados são apenas o começo, com os investimentos da companhia em cloud computing e soluções acessíveis servindo para garantir que esta não seja apenas uma onda e que os bons resultados permaneçam mesmo com o fim do isolamento social.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: