Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,83
    +0,63 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.762,00
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    16.446,16
    +279,87 (+1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.505,75
    -19,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4572
    +0,0006 (+0,01%)
     

Williams, do Fed, sinaliza relativa estabilidade das expectativas de inflação de longo prazo

Presidente do Fed de Nova York, John C. Williams, discursa durante evento em Manhattan, EUA

Por Michael S. Derby

(Reuters) - O presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams, citou a relativa estabilidade das expectativas de inflação de longo prazo como uma boa notícia nesta quarta-feira, já que o banco central dos Estados Unidos continua trabalhando para levar as pressões sobre preços de volta ao nível desejado.

“A importância de manter expectativas de inflação bem ancoradas é um princípio fundamental do banco central moderno, mas seu significado e validação precisos estão abertos à interpretação”, disse Williams no texto de um discurso a ser proferido a uma audiência em Zurique.

“As notícias são principalmente boas – as expectativas de inflação de longo prazo nos Estados Unidos permaneceram notavelmente estáveis em níveis amplamente consistentes com o objetivo (do Comitê Federal de Mercado Aberto) de longo prazo”.

Williams não comentou sobre política monetária ou perspectivas econômicas em seus comentários.

Williams, que também é vice-presidente do Fomc, que define os juros, divulgou suas opiniões enquanto o Fed vem realizando uma pressão agressiva com aumentos na taxa de juros visando reduzir os níveis mais altos de inflação em quatro décadas.

Até agora, os aumentos na taxa de juros do Fed, agora entre 3,75% e 4%, não reduziram as pressões sobre os preços para a meta oficial de 2%.

(Reportagem de Michael S. Derby)