Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.793,75
    +662,03 (+1,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Williams, do Fed, diz que perspectivas mais positivas não são suficientes para afetar política monetária

Jonnelle Marte
·1 minuto de leitura

Por Jonnelle Marte

(Reuters) - A economia dos Estados Unidos deve crescer ao ritmo mais rápido em décadas este ano, à medida que se recupera da crise causada pela pandemia do coronavírus, mas as condições financeiras não estão nem próximas do nível em que o Federal Reserve (Fed, banco central do país) consideraria retirar seu apoio, afirmou o presidente do Fed de Nova York, John Williams, nesta segunda-feira.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA pode aumentar cerca de 7% este ano após o ajuste pela inflação, implicando no crescimento mais rápido desde o início dos anos 1980, disse Williams. Mas esse "boom" pode não ser suficiente para alcançar o duplo mandato do Fed para inflação e pleno emprego, ele afirmou.

"Está claro que há uma grande mudança na economia e as perspectivas melhoraram", disse durante um evento virtual. "Mas deixe-me enfatizar que os dados e condições que estamos vendo agora não são suficientes para o FOMC (Comitê Federal de Mercado Aberto, em português) mudar sua postura de política monetária."

As autoridades do Fed concordaram na semana passada em manter os juros próximos de zero e continuar comprando 120 bilhões de dólares mensais em títulos até que haja "progresso substancial" em direção aos mandatos do Fed de pleno emprego e inflação.

(Por Jonnelle Marte)