Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,91
    +1,85 (+4,30%)
     
  • OURO

    1.804,50
    -33,30 (-1,81%)
     
  • BTC-USD

    18.967,92
    +515,96 (+2,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    376,44
    +6,69 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.078,75
    +173,50 (+1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3898
    -0,0505 (-0,78%)
     

Williams, do Fed, diz que economia dos EUA está em "buraco profundo" e alta de infecções é risco

Por Jonnelle Marte
·1 minuto de leitura
Presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams
Presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams

Por Jonnelle Marte

(Reuters) - A economia dos Estados Unidos está em uma trajetória positiva, mas ainda em um "buraco profundo", e o aumento nas infecções por coronavírus pode desacelerar o crescimento, disse o presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams, nesta sexta-feira.

"O grande aumento nos casos de Covid recentemente coloca claramente o mercado em dúvida sobre a capacidade da economia de resistir a este período", disse Williams em uma entrevista ao Financial Times. "Eu esperaria que o crescimento no quarto trimestre, e talvez no início do próximo ano, desacelerasse um pouco."

A capacidade de superar completamente o vírus dependerá do desenvolvimento de vacinas e outros tratamentos, e o progresso anunciado recentemente nessas frentes ofereceu "sinais positivos" sobre a capacidade de superar a Covid-19 no próximo ano, disse Williams.

A Pfizer anunciou nesta semana que sua vacina experimental para a Covid-19 é mais de 90% eficaz, de acordo com resultados de testes iniciais.

Apesar das boas notícias, Williams disse que está ainda mais preocupado com a possibilidade de a inflação permanecer muito baixa nos próximos anos, à medida que a economia continua a se recuperar e milhões de pessoas tentam voltar ao trabalho.

"As coisas parecem melhores, mas isso no contexto de uma economia que sofreu um enorme golpe", disse Williams. "Até hoje o desemprego segue muito alto e ainda estamos em um buraco fundo."

A ajuda fiscal implementada pelo Congresso dos EUA neste ano ajudou os norte-americanos a se manterem à tona, e as economias acumuladas com a ajuda de cheques de estímulo e auxílio-desemprego ainda estão sustentando a economia, disse ele.