Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.240,40
    -4.345,92 (-7,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Whatslly recebe aporte de US$ 11 milhões e mira em expansão na América Latina

·2 min de leitura

A Whatslly, startup israelense que conecta contas comuns e empresariais de WhatsApp à plataforma de relacionamento com o cliente Salesforce, recebeu na terça-feira (23) um aporte seed de US$ 11 milhões (R$ 50 milhões), que deve ser usado para expandir o negócio na América Latina. A rodada de investimentos contou com a liderança do fundo Zeev Ventures, com a participação de Sérgio Fogel, cofundador do unicórnio uruguaio dLocal.

Segundo a empresa afirma em um comunicado, as mensagens instantâneas ganharam ainda mais popularidade por conta do distanciamento social de 2020 e 2021, o que a favoreceu. Além disso, sua criação também se deu em um ambiente digital a distância: os cofundadores Deborah Palacios e Yanir Calisar moram no Brasil e em Israel, respectivamente. Eles moldaram o negócio por mensagem de texto, sem terem se conhecido presencialmente.

A solução da Whatslly permite que as empresas clientes visualizem dados dos consumidores em tempo real durante o atendimento via WhatsApp, o que permite a personalização das conversas. O mercado é vasto aqui: dados da startup informam que 80% dos brasileiros usam o WhatsApp para se comunicar com as empresas, e 57% já compram produtos e serviços direamente no mensageiro.

Deborah Wanzo e Yanir Calisar, da Whatslly (Imagem: Divulgação Whatslly/Cristiano Pinheiro Soares)
Deborah Wanzo e Yanir Calisar, da Whatslly (Imagem: Divulgação Whatslly/Cristiano Pinheiro Soares)

Atualmente a startup tem mais de 70 clientes, como XP Investimentos, Telefônica (Vivo), Hotmart, Edenred (dona da Ticket), Volkswagen e Empiricus, além de milhares de pessoas usando o serviço em 35 países.

"Nossa solução permite beneficiar três públicos: o usuário com ganhos de produtividade, relacionamento e efetividade; o cliente na personalização das tratativas e da melhoria da experiência; e o gestor, possibilitando visualizar com mais transparência e com recursos de inteligência artificial as etapas do seu ciclo de vendas", comenta Deborah Wanzo, a brasileira cofundadora da Whatslly.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos