Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.260,11
    +684,15 (+2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

WhatsApp vira alvo de organizações de consumidores na Europa; saiba por quê

·3 minuto de leitura

O Facebook está sendo acusado de violar a legislação de proteção ao consumidor na Europa em razão das sucessivas tentativas de forçar o usuário do WhatsApp a aceitar sua nova política de privacidade. O European Consumer Organisation (BEUC), grupo ligado à defesa do consumidor, disse que reuniu todas as suas oito organizações para apresentar uma reclamação formal à Comissão Europeia e demais autoridades do continente na área de defesa do consumidor.

Segundo a entidade, o embasamento da ação são as notificações persistentes, recorrentes e intrusivas que pressionam os usuários a acatar as atualizações da política do WhatsApp. O pedido também menciona as constantes ameaças de interrupção no funcionamento do app se não houver o aceite.

BEUC acusa o WhatsApp de forçar a barra junto aos usuários (Imagem: Reprodução/BEUC)
BEUC acusa o WhatsApp de forçar a barra junto aos usuários (Imagem: Reprodução/BEUC)

Toda essa “pressão indevida” faz com que haja prejuízo à liberdade de escolha das pessoas, o que seria uma violação da Diretiva da União Europeia sobre Práticas Comerciais Desleais, conforme o posicionamento do BEUC.

O WhatsApp até retrocedeu sobre a exigência de aceitar a nova política para usar o serviço e fez algumas dilatações do prazo. Apesar disso, quem não aceitou a atualização ainda continua a receber constantes avisos para fazê-lo na Europa e em outras regiões. É possível fechar a janela do aviso e continuar a vida, mas não existe uma opção para interromper o recebimento do alerta de tempos em tempos.

Falta de transparência

Ainda segundo uma nota explicativa do BEUC, a denúncia destaca a falta de clareza dos novos termos e a dificuldade do WhatsApp em explicar para as pessoas a natureza das mudanças. Segundo a entidade, até hoje não foi dito de forma aberta quais as consequências do aceite e o que será feito dos dados pessoais transferidos para o Facebook e parceiros.

Por fim, a entidade ressaltou que essa atitude pouco colaborativa leva o Facebook a ser investigado por governos e entidades de todo o mundo por supostas violações de privacidade. Essa insistente tática agressiva de “empurrar” a política a qualquer custo coloca o aplicativo de mensagem sob suspeita.

O que diz o WhatsApp?

Em entrevista concedida ao site TechCruch, um porta-voz do WhatsApp teria dito que a ação é baseada em um “mal-entendido” sobre o propósito e os efeitos da atualização dos termos de serviço. O representante do programa de chat diz que a atualização recente explica as consequências do não aceite e fornece mais transparência sobre como os dados são coletados e usados.

Novamente, o app reforça que os novos termos não aumentam a capacidade de coleta ou compartilhamento de dados com o Facebook, além de não afetar a privacidade das mensagens trocadas com amigos, familiares ou fins profissionais. A criptografia de ponta a ponta seria a responsável por evitar o acesso indevido ao conteúdo das conversas, resguardando a segurança do usuário.

A reclamação é apenas mais um capítulo na longa batalha travada entre o WhatsApp/Facebook contra autoridades especializadas em direitos do consumidor e privacidade online. Itália, Alemanha, Argentina e Brasil são exemplos de países que divergiram de aspectos usados pelo mensageiro na sua forçada atualização da política de dados.

Por aqui, o aplicativo decidiu trabalhar com conjunto com as autoridades locais para esclarecê-las sobre a importância de o usuário aceitar. Em acordo firmado com intermédio do Ministério Público, o WhatsApp decidiu suspender o envio dos avisos até 13 de agosto, prazo que já está próximo. Até lá, mesmo quem já havia rejeitado a nova política, continuará a usar os serviços sem restrição.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos