Mercado fechado

WhatsApp no trabalho? Como agir se o chefe abusa da ferramenta

Até onde o chefe pode enviar Whatsapp relacionado ao trabalho? (Foto: Getty Images)

Por Melissa Santos

O Whatsapp é um dos apps mais utilizados do mundo. Por isso, soa até natural que o messenger seja incorporado na rotina de trabalho. Mas até onde vão os limites entre chefe e funcionário nessa ferramenta? Quando você pode dizer não nestes casos?

Por que usar o WhatsApp no trabalho

"As tecnologias facilitam o trabalho e permitem a comunicação de forma muito mais dinâmica, o que é importante para o universo corporativo, inclusive no sentido de facilitar a possibilidade de trabalhar remotamente", avalia Rodrigo Vianna, CEO da Mappit, empresa especializada em recrutamento para vagas de início de carreira.

Leia também

Para Natalia Oliveira, especialista em desenvolvimento organizacional da Luandre, há outra funcionalidade interessante: conhecer melhor seus colegas e trocas informações. “Também para facilitar em algumas questões mais burocráticas, como envio de documentos, atestados médicos e etc.”, afirma.

Uma outra maneira que os líderes podem usar a ferramenta, na opinião de Oliveira, é aproveitá-la para unir os profissionais que não atuam nas dependências internas da empresa ou atuam exclusivamente em jornada externa.

“O WhatsApp é muito interessante em situações em que as equipes ficam em locais diferentes, distantes fisicamente. Além disso, pode ser utilizado para reduzir custos com telefonia, e-mail, evitar reuniões desnecessárias e otimizar o tempo quando é necessário um rápido retorno”, conclui.

O que não fazer ao usar o WhatsApp no trabalho

No entanto, é preciso ter equilíbrio e bom senso para que o uso dessas ferramentas não se torne exagerado e, assim, prejudique o cotidiano dos profissionais.

Para Vianna, uma das maneiras de usar a ferramenta com coerência é evitá-la fora do expediente e não exigir respostas imediatas. "Por mais que o profissional tenha visualizado a mensagem, ele pode estar atarefado com outra demanda e por isso não tenha conseguido responder prontamente."

Sem dúvida, os especialistas concordam que a maneira que o chefe utiliza a ferramenta é determinante para que o time saiba como utilizar a ferramenta. É ele quem precisa limitar o envio de mensagens fora do horário e lembrar que isso configura hora extra. “Além de evitar assuntos alheios aos profissionais, como piadas, correntes, orações que possam ter interpretações inadequadas”, lembra Oliveira.

Chefe abusivo no Whatsapp: o que fazer

Caso o colaborador esteja tendo problemas com o chefe que utiliza esse meio de comunicação de forma inadequada, a dica do CEO da Mappit é primeiro ter uma conversa honesta sobre o tema. “Além disso, quando o chefe enviar mensagens fora do expediente, por exemplo, o colaborador pode responder no horário do expediente – se o assunto não for urgente. Isso poderá ser um indicativo para que o chefe passe a se policiar”, recomenda.

Caso o chefe insista ou cobre alguma questão que não foi respondida pelo aplicativo, Vianna recomenda que o profissional pontue que não está online em todos os momentos e que, caso seja urgente, o chefe deve acioná-lo por meio de uma ligação.

Já Oliveira recomenda que, no caso de utilização da ferramenta para fins profissionais, o mesmo seja instalado no celular de uso exclusivamente corporativo, limitando assim a visualização de mensagens ao horário de trabalho.

“Caso o comportamento persista, outra possibilidade é buscar o apoio de alguma área interna, como o RH, para que a má conduta seja sanada”, finaliza a especialista.