Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,65
    +0,22 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.787,90
    +5,90 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    51.351,51
    -2.536,66 (-4,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.177,85
    -65,21 (-5,25%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.960,80
    -227,37 (-0,78%)
     
  • NASDAQ

    13.773,50
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5462
    +0,0046 (+0,07%)
     

WhatsApp Pay é liberado pelo Banco Central e já pode operar no Brasil

Igor Almenara
·4 minuto de leitura

Na noite de terça-feira (30), Banco Central do Brasil (BC) finalmente autorizou o funcionamento do sistema de pagamentos do WhatsApp no Brasil. Batizado de WhatsApp Pay, o recurso foi suspenso no território brasileiro em junho de 2020, logo após o seu anúncio, por ordem da própria entidade e pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

A Facebook Pagamentos do Brasil foi configurada como uma “iniciadora de pagamentos” no sistema financeiro brasileiro, figura aprovada em outubro pelo BC. A modalidade consiste em uma plataforma responsável pela intermediação entre o usuário e a sua instituição financeira, levando a ordem da transação do correntista ao banco para que se faça uma transação.

(Imagem: Divulgação/WhatsApp)
(Imagem: Divulgação/WhatsApp)

Embora tenha sido autorizado pelo BC, o sistema de pagamentos e transferências ainda não tem uma nova data de lançamento. Vale lembrar que, antes do bloqueio, o sistema chegou a entrar em ação e ficou no ar por cerca de uma semana, até que a autoridade responsável pela política econômica interveio no seu funcionamento e levou a ferramenta para análise.

No período em que ficou disponível, o pagamento se dava através de contas com cartões de débito ou crédito das bandeiras Visa ou MasterCard de bancos como o Banco do Brasil, Nubank e Sicredi, enquanto os pagamentos seriam processados pela Cielo. Naturalmente, havia planos para a expansão para mais bancos.

O sistema era totalmente sem tarifas para o consumidor final, mas empresas e contas comerciais pagariam uma pequena taxa pela transação — assim como acontece com o pagamento de cartões em maquininhas.

Relembre a confusão

Em junho de 2020, a pandemia ainda estava nos seus primeiros meses no Brasil e o impulso proporcionado para o mundo digital fez com que o Banco Central acelerasse o desenvolvimento de um novo método de pagamentos instantâneo, ativo 24 horas e isento de taxas, o Pix.

No período, o sistema de pagamentos ainda não estava pronto para ser lançado e a antecipação do Facebook em comparação ao projeto do BC sugeriu que a competitividade do segmento poderia estar ameaçada.

Por isso, em 23 de junho, o Banco Central comunicou a suspensão do serviço no Brasil, alegando para isso a “preservação de um ambiente competitivo adequado” que possibilita a operação de um sistema de pagamentos “interoperável, rápido, seguro, transparente, aberto e barato”.

"O eventual início ou continuidade das operações sem a prévia análise do regulador poderia gerar danos irreparáveis ao SPB notadamente no que se refere à competição, eficiência e privacidade de dados. O descumprimento da determinação do BC sujeitará os interessados ao pagamento de uma multa cominatória e à apuração de responsabilidade em processo administrativo sancionador”, completou o BC na nota de suspensão.

Já para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica, a suspensão se deu através de uma medida cautelar. Neste caso, o bloqueio foi uma medida para tentar “mitigar riscos à concorrência pela parceria do Facebook com a Cielo”. Aos olhos da entidade, ambas as figuras foram compreendidas como “grandes competidores” nos seus respectivos segmentos e sua parceria poderia causar desnível na participação de outras empresas no setor.

Ademais, a autoridade argumentou que não havia evidências de que a atuação da dupla tinha sido enviada ao órgão, normalmente responsável pela supervisão sobre esse tipo de movimentação. Devido à incerteza, o Cade ordenou a suspensão temporária.

Quando usar o WhatsApp Pay?

Diante da decisão que agora permite o funcionamento do WhatsApp como plataforma de pagamentos no Brasil, a empresa se disse “muito satisfeita” com a decisão do Banco Central. A companhia afirma que já está nos preparativos finais para reestabelecer o serviço no Brasil, mas não comentou sobre qualquer integração do método ao Pix.

Por enquanto, não há detalhes relacionados a mudanças no funcionamento da ferramenta, contudo, a figura atribuída ao WhatsApp está mais clara para o BC. O mensageiro deve somente encaminhar a ordem de pagamento para a instituição bancária responsável que, por sua vez, realizará a transação para a conta corrente desejada.

Sendo assim, não devem estar nos planos da companhia a criação de uma carteira digital. Tal função implicaria numa mudança na categoria do WhatsApp, que poderia ser classificado como uma fintech.

Ainda não há datas para que o serviço seja disponibilizado no Brasil, mas vale ficar de olho em pronunciamentos oficiais do Facebook e do mensageiro sobre a liberação do WhatsApp Pay.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: