Mercado fechará em 2 hs
  • BOVESPA

    106.194,28
    -168,82 (-0,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.551,12
    -163,48 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,99
    -0,67 (-0,81%)
     
  • OURO

    1.803,40
    +4,60 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    61.236,10
    +2.300,24 (+3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.477,75
    +58,37 (+4,11%)
     
  • S&P500

    4.581,11
    +29,43 (+0,65%)
     
  • DOW JONES

    35.630,04
    +139,35 (+0,39%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.733,50
    +146,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5513
    +0,1266 (+1,97%)
     

Instabilidade de WhatsApp e Telegram diminui em 47% mensagens entre criminosos

·2 minuto de leitura

O “apagão” dos serviços do Facebook, junto da instabilidade do Telegram por conta do volume de novos usuários entrando na plataforma, não afetou somente os usuários comuns. Segundo um relatório feito pela firma de segurança digital Axur, durante a indisponibilidade do WhatsApp e dos demais sistemas do Facebook, houve uma queda de 36% no total de mensagens enviadas por cibercriminosos.

Segundo informações contidas no relatório da Axur, as atividades de grupos de cibercriminosos no WhatsApp registraram queda de 35% de domingo (3) para segunda-feira (4). Quando comparado com os números da semana anterior, a diminuição é mais drástica, chegando em 47%.

Porém, a queda não foi notada somente no Facebook, WhatsApp e Instagram. Com muitos usuários migrando para o Telegram, fazendo a plataforma ganhar mais de 70 milhões de novos usuários em um dia, o aplicativo de troca de mensagens acabou apresentando instabilidade também, fazendo com que as mensagens de cibercriminosos diminuíssem em 36,10% em relação ao domingo, e 16,74% em relação à semana anterior.

A Axur também relata que o Telegram não caiu só no Brasil, com países como Colômbia, Panamá e Peru também registrando instabilidade no mensageiro.

Vale lembrar que recentemente, uma pesquisa divulgada pelo Financial Times revelou que o Telegram está virando um dos principais centros de atividades criminosas na internet, com a presença de chats na plataforma em que criminosos negociam a venda de dados, de forma semelhante como ocorre em fóruns da dark web.

As falhas do Telegram e do Facebook

<em>Gráfico do DownDetector mostrando as notificações de problemas do Telegram durante o dia 4 de outubro. (Imagem:Captura de Tela/Dácio Augusto/Canaltech)</em>
Gráfico do DownDetector mostrando as notificações de problemas do Telegram durante o dia 4 de outubro. (Imagem:Captura de Tela/Dácio Augusto/Canaltech)

A falha do Telegram não foi tão crítica, com a plataforma somente apresentando lentidão e alguns períodos de indisponibilidade do serviço no aplicativo, durante parte da segunda-feira (4), por conta do grande volume de novos usuários usando o mensageiro.

O caso do Facebook, WhatsApp e Instagram, porém, foi mais severo. Por mais de sete horas, todas as plataformas, quando acessadas, retornavam códigos de erro. Atualmente, todos os apps da empresa já foram retomados.

O Facebook, ainda na noite do ocorrido, divulgou uma nota explicando o que aconteceu com seus serviços. Segundo o comunicado, mudanças de configurações das plataformas realizadas pelos times de engenharia da empresa acabaram causando mudanças nas rotas que direcionavam os tráfegos para os servidores da companhia.

A nota explica que esse problema com o tráfego acabou causando um efeito cascata nas conexões da plataforma, paralisando todos os serviços do Facebook.

Por fim, o Facebook explica no comunicado que nenhuma informação de usuários de seus serviços foi comprometida durante a instabilidade, e que o problema foi totalmente técnico, na parte de controle da empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos