Mercado abrirá em 2 h 12 min
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,35
    +0,50 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.782,90
    +5,50 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    34.016,28
    +2.401,55 (+7,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,96
    +19,63 (+2,47%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.117,01
    +27,00 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.272,50
    +14,25 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9546
    +0,0348 (+0,59%)
     

WhatsApp diz que Índia excedeu poderes com regra para quebra de criptografia

·2 minuto de leitura

Por Aditya Kalra e Sankalp Phartiyal

NOVA DELHI (Reuters) - O governo da Índia excedeu seus poderes legais ao promulgar regras que empresas como o WhatsApp dizem que as forçará a quebrar a criptografia de ponta a ponta de mensagens, afirmou o aplicativo de mensagens do Facebook à Justiça do país.

O WhatsApp entrou com uma ação em um tribunal de Nova Delhi contra o governo para anular uma disposição de um novo regulamento que obriga as empresas a divulgar o "primeiro originador da informação", argumentando a favor da proteção da privacidade.

Em um comunicado na quarta-feira, o WhatsApp disse que se envolveria com o governo indiano para encontrar "soluções práticas" e proteger os usuários, mas o processo judicial mostra que a empresa adotou uma posição mais firme contra o governo do primeiro-ministro, Narendra Modi.

A regra redigida pelo ministério de Tecnologia da Informação de Modi levará a uma "perigosa invasão de privacidade" e é "inconstitucional", argumentou o WhatsApp no processo de 224 páginas de 25 de maio.

O WhatsApp disse que a nova regulamentação do governo excede o escopo de seus poderes e acrescentou que é um ponto bem estabelecido que apenas o parlamento, e não o governo federal, pode realizar funções legislativas essenciais.

"Para satisfazer o requisito de legalidade, deve haver uma lei válida permitindo a invasão de privacidade", afirmou o WhatsApp no processo.

Em nota, o governo de Modi disse que as regras estão de acordo com a lei do país e que a ação do WhatsApp é "lamentável".

O WhatsApp, que tem mais de 500 milhões de usuários na Índia, seu maior mercado, não comentou o processo.

Uma fonte do governo indiano disse à Reuters nesta quarta-feira que o WhatsApp pode encontrar uma maneira de rastrear os originadores de desinformação sem quebrar criptografia. O processo do WhatsApp, porém, afirma que isso não é possível.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos