Mercado abrirá em 7 h 56 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,95
    +0,66 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.761,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    42.480,34
    -3.198,51 (-7,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.062,47
    -71,92 (-6,34%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.022,12
    -77,02 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    29.965,05
    -535,00 (-1,75%)
     
  • NASDAQ

    15.087,00
    +77,50 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2466
    +0,0019 (+0,03%)
     

WhatsApp recebe multa recorde de R$ 1,38 bilhão

·1 minuto de leitura
WhatsApp aberto em um smartphone
Aplicativo discordou da decisão e já afirmou que irá recorrer
(Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)
  • WhatsApp recebeu multa recorde de € 225 milhões (equivalente a mais de R$1,3 bilhão)

  • Comissão Irlandesa de Proteção de Dados criticou o aplicativo por violações na lei de privacidade europeia

  • Aplicativo informou que irá recorrer e que acredita que a multa seja desproporcional 

O WhatsApp recebeu uma multa recorde de € 225 milhões (equivalente a mais de R$1,3 bilhão) por violações graves das leis de privacidade, descritas no Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia.

A decisão partiu de Helen Dixon, da Comissão Irlandesa de Proteção de Dados - principal órgão europeu que fiscaliza a forma com que empresas de tecnologia usam os dados dos consumidores – e é a maior aplicada por ela até o momento.

Leia também:

Dixon criticou o WhatsApp por um “déficit de informações muito significativo”, alegando que somente 41% das informações que o aplicativo deveria fornecer aos usuários eram, de fato, entregues. Para os não usuários, esse número cai para zero. Além disso, foram encontrados problemas na forma com que os dados eram compartilhados com outras empresas do grupo Facebook, da qual o WhatsApp faz parte.

O aplicativo já contestou a multa e afirmou que recorrerá. “Discordamos da decisão de hoje em relação à transparência que proporcionamos às pessoas em 2018 e as penalidades são totalmente desproporcionais", disse a empresa.

A investigação começou em 2018, mesmo ano em que entrou em vigor a GDPR, e deve permanecer em trâmite.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos